Paquequer, São Francisco e Tiete : as imagens dos rios e a construção da nacionalidade

Orientador: Edgar Salvadori De Decca

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2007
Main Author: Oliveira, Marcela Marrafon de
Orientador/a: De Decca, Edgar Salvadori, 1946-2016, Decca, Edgar Salvadori De
Banca: Bresciani, Maria Stella Martins, Carvalho, Vania Carneiro de
Format: Dissertação
Language:por
Published: [s.n.]
Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Filosofia e Ciências Humanas
Programa: Programa de Pós-Graduação em História
Assuntos em Português:
Assuntos em Inglês:
Online Access:http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/281858
Citação:OLIVEIRA, Marcela Marrafon de. Paquequer, São Francisco e Tiete: as imagens dos rios e a construção da nacionalidade. 2007. 163p. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciencias Humanas, Campinas, SP. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/281858>. Acesso em: 7 ago. 2018.
Resumo Português:Resumo: Esta dissertação analisa como a nacionalidade brasileira foi representada através das imagens- textuais, iconográficas e monumentais- dos rios. A natureza, sobretudo a natureza tropical, foi associada à identidade nacional, especialmente a partir do Romantismo. Com este pressuposto, elegeu-se como fontes de análise para este trabalho, obras clássicas de renomados autores brasileiros, como O Guarani, de José de Alencar; Capítulos de História Colonial, de Capistrano de Abreu; e Relatos monçoeiros, de Affonso Taunay. O ¿território da memória¿ da nação através dos rios desenvolve-se nestas obras, originando fortes imagens textuais, porém adquire maior vivacidade por meio do monumento aos rios, erigido na escadaria do Museu Paulista, à época da direção de Affonso Taunay. Além da construção de ânforas com águas dos principais rios brasileiros, Taunay concebeu uma sala no Museu Paulista em que o rio Tietê figura como protagonista em telas que registram episódios das monções. A eleição de determinados rios pelos autores reflete também a forma como entenderam a nacionalidade, que é compreendida, nesta pesquisa, como uma construção afirmada, contestada e reformulada ao longo do tempo, desde sua invenção