Socializações desiguais = as juventudes nas camadas populares e nos grupos médios

Orientador: Ana Maria Fonseca de Almeida

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2010
Main Author: Coelho, Camila Chicrala
Orientador/a: Almeida, Ana Maria Fonseca de, 1963-
Banca: Tomizaki, Kimi Aparecida, Perosa, Graziela Serroni, Bittencourt, Agueda Bernadete
Format: Dissertação
Language:por
Published: [s.n.]
Universidade Estadual de Campinas. Faculdade de Educação
Programa: Programa de Pós-Graduação em Educação
Assuntos em Português:
Assuntos em Inglês:
Online Access:http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/251389
Citação:COELHO, Camila Chicrala. Socializações desiguais = as juventudes nas camadas populares e nos grupos médios. 2010. 111 p. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas, SP. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/251389>. Acesso em: 16 ago. 2018.
Resumo Português:Resumo: Esta pesquisa propôs-se a investigar as relações entre a desigualdade social brasileira, o processo de socialização e as práticas juvenis em famílias que ocupam diferentes posições sociais no contexto urbano de uma cidade grande no interior paulista. Para isso, foi realizada uma investigação na rotina diária dos jovens, o que metodologicamente permitiu observar como importantes experiências de socialização vividas por estes em sua rotina sofrem os efeitos da desigualdade social entre seus grupos de pertencimento. O estudo foi realizado através de um mapeamento das principais práticas desenvolvidas pelos jovens na interação com suas famílias, com a escola e com os amigos. As questões norteadoras da pesquisa foram: (i) A que práticas se dedicam jovens de grupos sociais diferentes? (ii) Essas práticas são produzidas em que tipo de relações e em meio a que experiências de socialização?(iii) Como os diferentes modos de socialização e práticas juvenis podem produzir e/ou reproduzir as relações de desigualdade social entre seus grupos? A pesquisa envolveu 14 jovens e seus familiares e procurou analisar as variações tanto individuais como intergrupais das práticas dos jovens, a partir de informações obtidas por meio de 42 entrevistas e de observações realizadas principalmente no âmbito doméstico e do bairro. Os resultados confirmam que variações na posição social das famílias não apenas determinam variações na forma como se dão os processos de socialização dos jovens e como são construídos os seus gostos e as suas práticas de lazer, de estudo e de trabalho, mas também repercutem na trajetória social dos jovens.
Resumo inglês:Abstract: This study is aiming to investigate the relationship between social inequality in Brazil, the process of socialisation practices and youth in families that occupy different social positions in the urban context of a big-sized city in São Paulo. An investigation was undertaken in the daily routine of the young, which allowed us to observe how methodologically important socialisation experiences in their routine suffer the effects of social inequality. The study was conducted through a mapping of the key practices developed by young people in interaction with their families, with school and with friends. The questions guiding the research were: "(1) What practices engage young people from different social groups? (2) These practices are produced in what kind of relationships and experiences in the midst of that socialisation? (3) How the different modes of socialization practices and youth can produce and / or reproduce the relations of social inequality among their groups?" The research involved 14 young people and their families and sought to analyze variations both individual and intergroup practices of young people, from information obtained through 42 interviews and observations conducted mainly in the home and neighborhood. The results confirm that variations in the social position of families not only determine variations in the way we give the socialisation process of youth and how they built their tastes and practices of recreation, study and work but also have repercussions on the trajectory society of young people.