Organizações não governamentais (ONGs) e mercado: estudo de campo de um inevitável choque de racionalidades

What we have assumed as rational and logic from the beginning of the Modern Times provides a mental system, used on decision making, which carries itself a framework of premises and values. These rules aim the functional maximization of the consequences, far from any subjective value. Weber (1994) c...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2010
Main Author: Lacerda, Daniel da Silva
Orientador/a: Vieira, Marcelo Milano Falcão
Format: Dissertação
Language:por
Assuntos em Português:
ONG
Assuntos em Inglês:
Online Access:http://hdl.handle.net/10438/6667
Citação:LACERDA, Daniel da Silva. Organizações não governamentais (ONGs) e mercado: estudo de campo de um inevitável choque de racionalidades. Dissertação (Mestrado em Gestão Empresarial) - FGV - Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, 2010.
Resumo Português:Aquilo que passamos a entender como racional e lógico a partir da era moderna, provê um esquema mental para tomada de ações que carrega um arcabouço de premissas e valores consigo. Essas regras visam a maximização utilitária das consequências, esvaziadas de qualquer valor subjetivo. Weber (1994) classificou acessoriamente esse esquema como 'racionalidade instrumental', que se caracteriza por ser orientada pelos fins, meios e consequências da ação. Em contraposição, definiu ainda a 'racionalidade substantiva', postulada nos valores do sujeito, que não se orienta por quaisquer consequências da ação. Muitos autores partiram dessas racionalidades para representar a dualidade que acomete o mundo a partir da centralidade do mercado e sua lógica instrumental, mas foi Guerreiro Ramos (1989) quem deu contundente contribuição ao estudo das organizações separando diferentes enclaves sociais, nos quais as racionalidades seriam mais adequadas em um ou outro espaço. Nesse contexto, o mercado é um enclave importante e legítimo, mas apartado de outros, nos quais as relações sociais existem para servir o sujeito. Esse trabalho, fundamentado na Teoria Crítica, reconhece que as ONGs (Organizações Não Governamentais) devem pertencer a um campo distinto daquele das empresas econômicas, por se basearem em racionalidades diferentes das mesmas. Foi realizada uma pesquisa de campo junto a cinco organizações sem fins lucrativos, com fins declarados de ação social (Harmonicanto, Reviverde, ACAM, Observatório de Favelas e Bola pra Frente), buscando identificar as influências desviacionistas que a adoção da racionalidade instrumental impõe sobre a realização dos objetivos previstos para essas organizações. Observou-se que existem contingências que favorecem o uso da instrumentalidade nessas organizações, como: necessidade de autossustentação, área de atuação, tamanho da organização, influência do líder, etc. Conclui-se que tais organizações, apesar de não serem espaços dedicados à atualização do sujeito (como define a Isonomia de Guerreiro Ramos), delatam o seu fim público e orientam-se pelas consequências sempre que absorvem de forma crua a dinâmica organizacional de uma empresa econômica.
Resumo inglês:What we have assumed as rational and logic from the beginning of the Modern Times provides a mental system, used on decision making, which carries itself a framework of premises and values. These rules aim the functional maximization of the consequences, far from any subjective value. Weber (1994) classified this system as 'instrumental rationality', distinguished as goal-oriented. He also defined the 'substantive rationality', assumed by the values of the subject and not oriented by any consequences of the action. Even though many authors started from these rationalities definitions to expose the duality that separates the world from the trends of market centralization and their instrumental logic, Guerreiro Ramos (1989) was the one who strongly contributed to the study of the organizations, separating different social enclaves, in which the rationalities would be better applied in one or another environment. In this context the marketplace although separated from others is an important and legitimated enclave where social relations are devoted to serve the subject. The present work is based on Critical Theory and assumes that the NGOs (NonGovernmental Organizations) belong to a different field from the one of economic organizations, once they are motivated by different rationalities. A field research was made among five nonprofit organizations, with declared goals of social action (Harmonicanto, Reviverde, ACAM, Observatório de Favelas and Bola pra Frente). The research aimed to identify deviating influences that the instrumental rationality imposes on the achievement of the original goals of these organizations. It was also observed that there are circumstances that support the adoption of the instrumental rationality, such as: necessity of self maintenance, the area of operation, the dimension of the organization, the influence of the leader, etc. The main outcome is that such organizations, despite the fact they are not environments dedicated to the individual’s growth (as the concept of Isonomy of Guerreiro Ramos defines), betray their public purpose, and are driven by the consequences every time they assimilate in a basic form the organizational dynamic of an economic organization.