Galvez imperador do Acre: o discurso do romance e a ficcionalização da história

Dissertação(mestrado) - Universidade Federal do Rio Grande, Programa de Pós-Graduação em Letras, Instituto de Letras e Artes, 2006.

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2006
Main Author: Silva Júnior, Renato Otero da
Orientador/a: Baumgarten, Carlos Alexandre
Format: Dissertação
Language:por
Online Access:http://repositorio.furg.br/handle/1/2652
Citação:SILVA JÚNIOR, Renato Otero da. Galvez imperador do Acre: o discurso do romance e a ficcionalização da história. 2006. 105f. Dissertação (Mestrado em História da Literatura) - Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande, 2006.
Resumo Português:Galvez imperador do Acre, de Márcio Souza, transita por um duplo caminho: ao mesmo tempo em que revisita capítulo importante da história do Brasil, estabelece também um diálogo com a tradição literária do país. O romance, além disso, por sua própria natureza, apresenta uma série de elementos caracterizadores que o aproximam da forma romanesca tal como a concebeu Mikhail Bakhtin em seus estudos sobre o gênero. Nessa perspectiva, o presente trabalho promove o estudo do romance do autor amazonense, contemplando-o a partir de uma também dupla orientação: de um lado, é ele analisado em função das relações que estabelece entre os campos da ficção e da história; e de outro, é ele visto enquanto materialização do gênero romance, portador das características atribuídas a ele pelo teórico russo.
Galvez imperador do Acre, de Márcio Souza, transita por un camino doble: al mismo tiempo en que revisita capítulo importante de la historia de Brasil, establece también un diálogo con la tradición literaria del país. La novela, más allá de esto, por su propia naturaleza, presenta una serie de elementos caracterizadores que la acercan a la forma romanesca tal como la ha concebido Mijail Bakhtín en sus estudios sobre el género. En esta perspectiva, el presente trabajo promove el estudio de la novela del autor amazonense, contemplándola a partir también de una orientación doble: de un lado, es analizada en función de las relaciones que establece entre los campos de la ficción y de la historia; y de otro, es vista en cuanto materialización del género novela, portador de las características atribuidas a él por el teórico ruso.