Variação da densidade, área basal e biomassa de lianas em 64 km2 de floresta de terra-firme na Amazônia Central

Existe uma ausência de trabalhos em meso-escala considerando a variação ambiental e geográfica sobre a comunidade de lianas. Foram amostradas 40 parcelas de 1 ha distribuídas por 64 km2 em uma Reserva de terra-firme da Amazônia Central. A densidade e área basal de lianas foi quantificada em cada uma...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2006
Main Author: Nogueira, Anselmo
Orientador/a: Costa, Flávia Regina Capellotto
Format: Dissertação
Language:por
Published: Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia - INPA
Programa: Ecologia
Online Access:https://repositorio.inpa.gov.br/handle/1/11859
http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4774909U8
Resumo Português:Existe uma ausência de trabalhos em meso-escala considerando a variação ambiental e geográfica sobre a comunidade de lianas. Foram amostradas 40 parcelas de 1 ha distribuídas por 64 km2 em uma Reserva de terra-firme da Amazônia Central. A densidade e área basal de lianas foi quantificada em cada uma das parcelas, e estimativas de biomassa foram realizadas com diferentes equações alométricas. Os valores absolutos das estimativas de biomassa variaram muito de acordo com a equação alométrica utilizada. Erros das equações provavelmente ocorrem devido à ausência de amostras de lianas largas nesses trabalhos. Foi verificada relação entre as variáveis ambientais e a comunidade de lianas. Quanto maior a densidade de palmeiras, a % de areia no solo e o índice de estrutura arbórea, menor a densidade, área basal e biomassa de lianas. Os componentes do sub-bosque estiveram estruturados espacialmente, o que tornou a relação entre as variáveis mais complexa. Esses resultados indicam que as variáveis ambientais provavelmente atuam em fases diferentes da vida das lianas. Os solos arenosos poderiam estar diminuindo a germinação e o estabelecimento das plântulas. As palmeiras reduziriam, no início da fase escandente das lianas, os suportes potenciais do sub-bosque (árvores finas), constringindo o número de lianas por área. O índice de estrutura da vegetação influenciaria os indivíduos jovens e intermediários em ascendência, definindo a disponibilidade de suportes entre os estratos da floresta.
Broad scale research that considers environmental and geographical variation of lianas community are lacking. In a 64 km2 of Terra-Firme forest Reserve in Central Amazon, 40 plots of 1 ha were distributed. The density and basal area was evaluated. Biomass estimations were done with three alometric equations. The absolute biomass value estimated varied largely according to the alometric equation used. Errors in the equations probably occur due to little sampling of large lianas of these works. The environmental variables were related to liana community. Palms density, sand soil content and trees structure index are negatively correlated with density, basal area and biomass of lianas. Understory components were spatially structured, making more complex the correlations between variables. Different relationships between environmental variables and lianas were found according to the life stage. Sand soil content may be reducing the germination and seedlings establishment. Abundance of palms may be reducing the number of thin tree that are the main supports for lianas at early stages of life cycle. The tree structure may be determining the availability of supports at different forests stracta, which mainly influences ascending individuals.