Micropolítica dos corpos: as drogas como linhas de fugas

The following dissertation intends to problematize the aesthetics of existence, the ones which have as central element the use of drugs, proposed by the writers Aldous Huxley and William Burroughs. . In order to address the problematization, the research goes back to the threaded discussion of Fried...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2011
Main Author: Peccioli, Marcelo Romani lattes
Orientador/a: Tótora, Silvana Maria Corrêa
Format: Dissertação
Language:por
Published: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Programa: Ciências Sociais
Department: Ciências Sociais
Assuntos em Português:
Assuntos em Inglês:
Áreas de Conhecimento:
Online Access:http://tede2.pucsp.br/handle/handle/2230
Citação:Peccioli, Marcelo Romani. Micropolítica dos corpos: as drogas como linhas de fugas. 2011. 154 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2011.
Resumo Português:A presente dissertação pretende problematizar estéticas de existência propostas pelos escritores Aldous Huxley e William Burroughs, as quais têm no uso de drogas um elemento central. Para isso, a pesquisa retoma a discussão feita por Friedrich Nietzsche, Michel Foucault, Gilles Deleuze especialmente como leitor de Espinosa , assim como os dispositivos de controle lançados pelo Estado desde o advento da sociedade disciplinar, visando ao adestramento dos corpos. Desdobrando esses dois eixos temáticos experimentação e controle , a pesquisa aborda os corpos e o agenciamento drogas, fazendo um breve relato sobre a sua disseminação na sociedade urbana e a caracterização do drogado como um anormal que requer cuidados médicos e atenção policial. Por fim, a dissertação discorre sobre as obras de Aldous Huxley e William Burroughs no que concerne às drogas, seus experimentos, suas produções e seus enfrentamentos, por meio dos conceitos desenvolvidos por Deleuze e Foucault, que fazem referência a uma estetização de si
Resumo inglês:The following dissertation intends to problematize the aesthetics of existence, the ones which have as central element the use of drugs, proposed by the writers Aldous Huxley and William Burroughs. . In order to address the problematization, the research goes back to the threaded discussion of Friedrich Nietzsche, Michel Foucault and Gilles Deleuze especially as a Spinoza reader -, as well as the control devices launched by the State since the disciplinary society s emergence, aiming the bodies docilization. To unfold these two thematic axes experimentation and control -, the research approaches the bodies and by doing a brief report on its dissemination in the urban society and the categorization of the drugs user as an abnormal who requires medical caring and police surveillance. Lastly, the dissertation approaches the works of Aldous Huxley and William Burroughs on the matters regarding drugs, their experiments, creations and confrontations. It is all brought up by the concepts developed by Deleuze and Foucault referencing one s aestheticization