A potencialidade do trabalho: uma via para o desenvolvimento sociocultural

We live in a work society. In the course of accumulated jobs in our curricula vitae we daily share with others in a rich laboratory of experiences, not only professionals but mainly personal. In addition to technical knowledge, we collect socio-cultural experiences. We shape our character and build...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2015
Main Author: Giacomo, Marcos Flud lattes
Orientador/a: Carvalho, Edgard de Assis
Format: Dissertação
Language:por
Published: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Sociais
Department: Ciências Sociais
Assuntos em Portugês:
Assuntos em Inglês:
Áreas de Conhecimento:
Online Access:https://tede2.pucsp.br/handle/handle/3654
Citação:Giacomo, Marcos Flud. A potencialidade do trabalho: uma via para o desenvolvimento sociocultural. 2015. 120 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2015.
Resumo Português:Vivemos em uma sociedade do trabalho. Na trajetória dos empregos acumulados em nossos curricula vitae comungamos diariamente com outras pessoas em um rico laboratório de vivências não só profissionais mas, principalmente, pessoais. Além dos conhecimentos técnicos, colecionamos experiências socioculturais. Moldamos nosso caráter e construímos nossos valores pessoais. Em nome da produtividade desafiamos constantemente a ética e ameaçamos o meio ambiente. O trabalho contemporâneo apresenta peculiaridades que remontam à revolução industrial. Seu formato não vem contribuindo para o desenvolvimento do ser humano, cada vez mais fragmentado em suas especializações. Medos e inseguranças afloram nos ambientes de trabalho das organizações, causadoras de estresse generalizado na busca por metas, desempenho e lucros de curto prazo. Aprendemos, construímos, produzimos, enquanto trabalhadores. Vivemos as alegrias, tristezas, realizações, frustações, emoções, medos, vaidades no papel humano indissociável do profissional. Vamos tomando consciência de nós mesmos e dos outros, daquilo que nos realiza e das coisas que nos desmotivam. Amadurecemos. Essa equação parece carecer de uma variável que torne nossa relação com o trabalho positiva. Enquanto experimentamos alterações de rota do modelo econômico, o propósito apresenta-se como uma possível via para a regeneração sociocultural
Resumo inglês:We live in a work society. In the course of accumulated jobs in our curricula vitae we daily share with others in a rich laboratory of experiences, not only professionals but mainly personal. In addition to technical knowledge, we collect socio-cultural experiences. We shape our character and build our personal values. In the name of productivity we constantly challenge ethics and threaten the environment. The contemporary work presents peculiarities dating back to the industrial revolution. Its format is not contributing to the development of the human being, increasingly fragmented in its specializations. Fears and insecurities prevail in the workplace of organizations, causing widespread stress in the search for short-term goals, performance and profits. We learn, build, produce, while workers. We live the joys, sorrows, accomplishments, frustrations, emotions, fears, vanities in the human role, inseparable from the professional one. Growing consciousness from ourselves and others, from our accomplishments and the things that discourage us. We mature. This equation appears to lack from a variable that makes our relationship with the work positive. While experiencing changes on the route of the economic model, the purpose presents itself as a possible via to the social-cultural regeneration