Caminhos do conhecimento: reflexões sobre o pensamento complexo, a temporalidade e uma experiência budista

The main purpose of this thesis is to invite to a reflection on anthropology in light of the major paradigm shifts that have taken place in the hard-science core. I begin by relating the establishment of social sciences as from the Illuminist context, which imprinted their main characteristics conce...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2008
Main Author: Marcucci, Cynthia Moreira lattes
Orientador/a: Rangel, Lucia Helena Vitali
Format: Tese
Language:por
Published: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Programa: Ciências Sociais
Department: Ciências Sociais
Assuntos em Português:
Assuntos em Inglês:
Áreas de Conhecimento:
Online Access:http://tede2.pucsp.br/handle/handle/2804
Citação:Marcucci, Cynthia Moreira. Paths of knowledge: reflections upon the complex thought, temporality and a buddhist experience. 2008. 316 f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2008.
Resumo Português:Esta tese tem como principal objetivo empreender uma reflexão sobre a antropologia diante das grandes transformações paradigmáticas ocorridas no núcleo duro das ciências. Para tanto, relacionei o estabelecimento das ciências sociais ao contexto iluminista, que lhe imprimiu as principais características quanto ao modelo de realidade, metodologia e princípios. Em seguida, esclareci a respeito das principais novidades introduzidas pelo pensamento complexo tanto na área das ciências sociais como na biologia e na físico-química, para apresentar os principais conceitos com os quais trabalhamos: o anel tetralógico ordem-desordem-organização-interação; a dialógica cultura-natureza, o anel trinitário indivíduo/espécie/sociedade; e o tempo complexo através das estruturas dissipativas. Para finalizar a primeira parte, introduzimos o pensamento budista como uma ponte entre a ciência e a tradição. Num segundo momento, apresentamos considerações a respeito da temporalidade linear e simplificadora que engendrou três idéias que precisam ser repensadas pela antropologia: a existência de um caminho plano pelo qual se vai do mais simples ao mais complexo; a exclusão mútua dos termos continuidade e ruptura; e a visão de que a história instaura a universalidade humana. Para esse fim estudamos os poemas da Grécia arcaica, levantamos aspectos do mito e de seu tempo e discutimos o papel da história nas ciências sociais. Por fim, retomamos a redescoberta do tempo prigoginiano e o relacionamos com o determinismo, a liberdade e a ética. Esta, complexificada, leva a uma retomada da necessidade de mudança na antropologia, para ela que venha a ser verdadeiramente a 'ciência do homem'
Resumo inglês:The main purpose of this thesis is to invite to a reflection on anthropology in light of the major paradigm shifts that have taken place in the hard-science core. I begin by relating the establishment of social sciences as from the Illuminist context, which imprinted their main characteristics concerning reality model, methodology and principles. I subsequently clarify the most important news brought in by the complex thought in both social sciences and biology, physics and chemistry in order to introduce the major concepts we work with: the order/disorder/organization/interaction tetralogical ring; the culture/nature dialogism, the individual/species/society trinitary ring, and complex time through dissipative structures. To end the first part I present the Buddhist thought as a bridge between science and tradition. The second chapter brings some considerations regarding linear and simplifying temporality, which raised three ideas that anthropology must reassess: the existence of a flat path through which one goes from the simpler to the most complex thinking; the mutual exclusion of the terms 'continuity' and 'rupture', and the vision that history establishes human universality. To support same, I studied archaic Greece's poems, evaluated some aspects of their myth and time and discussed the role of history in social science. In the third and last part I resume the rediscovery of Prigogine's time and relate it to determinism, freedom and ethics. When complexified, ethics leads to the resumption of anthropology's need for change, so that it truly becomes 'the science of man'