São Paulo nos anos vinte: um estudo sobre as transformações dos aspectos materiais e imateriais da cidade reconstruída através da obra ficcional do escritor António de Alcântara Machado

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:1997
Main Author: Carmo, Eduardo Benzatti do lattes
Orientador/a: Carvalho, Edgard de Assis
Format: Dissertação
Language:por
Published: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Sociais
Department: Ciências Sociais
Assuntos em Português:
Áreas de Conhecimento:
Online Access:https://tede2.pucsp.br/handle/handle/3892
Citação:Carmo, Eduardo Benzatti do. São Paulo nos anos vinte: um estudo sobre as transformações dos aspectos materiais e imateriais da cidade reconstruída através da obra ficcional do escritor António de Alcântara Machado. 1997. 157 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1997.
Resumo Português:São Paulo anos vinte. A cidade está em pleno processo modernizador. Os modernistas procuram captar o dinamismo dos acontecimentos em sua literatura. Surge António de Alcântara Machado com seus contos, suas histórias rápidas em estilo telegráfico e cinematográfico, tão apropriado àquela realidade. Este estudo procura analisar aspectos e elementos dessas histórias que retra-tam as transformações em curso. A obra ficcional de António de Alcântara Macha-do é composta por personagens representativos dos novos tipos e grupos sociais. Falar desta obra é falar desses homens e mulheres atônitos no turbilhão da moder-nidade. Perdidos na multidão (ou circulando no espaço urbano em velocidade condizente com o novo ritmo do cotidiano) são esses tipos e grupos produtos e agentes das radicais mudanças socioeconômicas no meio paulistano. Caminhando pelas ruas da área central ou observando o dia-a-dia dos distan-tes bairros italianos, esse escritor capturou em suas histórias a nova espacialização e temporalidade da urbe. António de Alcântara Machado é o prosador urbano de uma paulicéia já desvairada. Sua obra, como outros testemunhos da época, é uma fenda no tempo, uma fresta onde do agora podemos espiar o passado. Redescobri-la é redescobrir parte da nossa história, da nossa memória