Guerreiros do Norte: memórias de um tempo histórico para uma etnografia Yawalapiti

This thesis aims to reconstruct the history, as the basis of the permanent identity, of the Yawalapiti, an Aruak-speaking Indian people who live on the left margin of the Tuatuari river, a tributary of the Xingu river. The Yawalapiti were part of the early migrations of the Aruak-Maipure peoples as...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2014
Main Author: Rocha, Adelino de Lucena Mendes da lattes
Orientador/a: Junqueira, Carmen Sylvia de Alvarenga
Format: Dissertação
Language:por
Published: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Programa: Ciências Sociais
Department: Ciências Sociais
Assuntos em Portugês:
Assuntos em Inglês:
Áreas de Conhecimento:
Online Access:http://tede2.pucsp.br/handle/handle/2484
Citação:Rocha, Adelino de Lucena Mendes da. Guerreiros do Norte: memórias de um tempo histórico para uma etnografia Yawalapiti. 2014. 117 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2014.
Resumo Português:O objetivo desta dissertação é resgatar a história, como base de sua permanente identidade, dos Yawalapiti, um povo indígena de língua aruak que vive na margem esquerda do rio Tuatuari, um dos formadores do rio Xingu. Os Yawalapiti fazem parte das primeiras ondas migratórias aruak-maipure a chegar ao território onde mais tarde se amalgamou, em união com outros povos indígenas, o que conhecemos por sistema social xinguano. Este sistema se compõe de um conjunto variado de povos, vindos de regiões diversas, falantes de diferentes línguas, que se reconhecem como membros comuns, compartilham rituais (cerimônias inter-aldeias), repertórios cosmológicos e vivenciam um modo de vida semelhante. Estas características niveladoras são articuladas a partir de relações comerciais seculares entre alguns destes grupos, e especialmente pelo casamento inter-grupal, que constitui um dos pilares da sustentabilidade social. Esse trabalho se sustenta a partir da coleta das memórias mais antigas dos Yawalapiti, antes de chegarem ao Alto Xingu, no tempo do primeiro ancestral lembrado. São mencionadas as dificuldades dos primeiros tempos na bacia do rio Tuatuari, os índios bravos inimigos, a feitiçaria, e, por fim, o encontro com os brancos. Uma forte lembrança que vai eventualmente reforçar a identidade Yawalapiti é o desaparecimento da última aldeia autônoma dos Yawalapiti ao tempo do exílio nas terras de Lahatuá. Igualmente importantes na memória yawalapiti são a chegada dos brancos, o retorno para öuyá e as aldeias de Aimakapuko, local onde retomam seu crescimento demográfico. Destacam-se também nesta dissertação análises sobre o cotidiano da aldeia Typa-Typa, a cosmologia e um breve exercício sobre a continuidade étnica dos Yawalapiti. A metodologia desse trabalho se baseia na observação participante e também nos depoimentos abertos que suscitam as recordações das narrativas yawalapiti coletadas pelo autor durante as diversas viagens à aldeia de Typa- Typa, entre os anos de 2005 e 2013, além das pesquisas bibliográficas pertinentes
Resumo inglês:This thesis aims to reconstruct the history, as the basis of the permanent identity, of the Yawalapiti, an Aruak-speaking Indian people who live on the left margin of the Tuatuari river, a tributary of the Xingu river. The Yawalapiti were part of the early migrations of the Aruak-Maipure peoples as they reached the Upper Xingu territory where, in conjunction with other Indian groups, there formed what is known as the Xinguan social system. This system is constituted by a number of variegated Indian peoples, coming from different regions, speaking different languages, who recognize themselves as partner members, share the same inter-village rituals, cosmological repertoires, and practice a common way of life. These basic social characteristics are articulated by means of traditional trade relations among some of these groups as well as through group inter-marriage, which constitutes one of the main pillars of Xinguan social sustainability. The present work takes as its foundation the earliest memories of the Yawalapiti, even before they reached the Xingu river basin, when the name of the very first historical Yawalapiti leader is recorded. These early memories relate the difficulties the Yawalapiti experienced on the Tuatuari river basin, the battles with enemy groups, witchcraft, and, finally, the encounter with white people. A strong remembrance, which will eventually help reinforce Yawalapiti social identity, is the demise of the last autonomous Yawalapiti village at the time they were exiled on Lahatuá lands. Equally significant in yawalapiti cultural memory are the arrival of white people, their return to öuyá and the Aimakapuko villages, where they begin to grow in population. This thesis also stresses the importance of the Typa-Typa village, the cosmology and a brief exercise on the ethnic permanence of the Yawalapiti. The methodology of this work is based on open interviews aimed to bring out old yawalapiti memories and narratives, collected by the present author during the many stays in the Typa-Typa village over the years from 2005, to 2013, as well as bibliographical research