Revez-cárcere: uma política dos corpos desviantes

In this paper we are working on tree moviments, divided in chapters, concerning the west mental deseases practices. First introducing the sociopolictical treatment imposed to deviant bodies, from the end os meddle age to the irruption of psychiactrical renovation; in a second moment, we approach par...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2017
Main Author: Gerino, Alain Martins da Silva lattes
Orientador/a: Segurado, Rosemary
Format: Dissertação
Language:por
Published: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Sociais
Department: Faculdade de Ciências Sociais
Assuntos em Português:
Assuntos em Inglês:
Áreas de Conhecimento:
Online Access:https://tede2.pucsp.br/handle/handle/19915
Citação:Gerino, Alain Martins da Silva. Revez-cárcere: uma política dos corpos desviantes. 2017. 170 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) - Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Sociais, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2017.
Resumo Português:Nesta pesquisa trabalhamos três movimentos, divido em capítulos, acerca das práticas para com a loucura no Ocidente. No primeiro, apresentamos o tratamento sociopolítico imposto ao corpo desviante, que vai do final da Idade Média até a irrupção da reforma psiquiátrica; no segundo, abordamos parte do atual cenário de socialização a partir do grupo virtual Abre_Brasil e da sua relação com a esquizofrenia através da ferramenta digital da internet; e, por fim, no último movimento, destacamos a relação desse corpo com o psicofármaco, problematizando os efeitos do medicamento utilizado e as implicações na atual política de saúde mental, sendo fundamental para a análise a perspectiva dos pacientes e familiares cujos seus discursos e relatos foram coletados nos grupos presenciais da Associação Brasileira de Familiares, Amigos e Portadores de Esquizofrenia — Abre. Para tanto, recorremos às literaturas que tratam da questão da loucura, às análises que elaboramos a partir do grupo virtual Abre_Brasil e às pesquisas etnográficas realizadas nos grupos presenciais da Abre, onde familiares, cuidadores e aqueles classificados pela ciência médica como portadores de esquizofrenia compartilham de um espaço de troca e interação social. Sendo assim, discutimos as novas formas de encarceramento na era pós-reforma, problematizando, também, o uso dos psicofármacos que é apontado como o principal responsável pela estabilização e desestabilização da esquizofrenia. Por fim, fechamos nossa reflexão por meio de uma investigação política acerca destes movimentos que não cessou, por completo, a existência do manicômio
Resumo inglês:In this paper we are working on tree moviments, divided in chapters, concerning the west mental deseases practices. First introducing the sociopolictical treatment imposed to deviant bodies, from the end os meddle age to the irruption of psychiactrical renovation; in a second moment, we approach part of the sociabilization scenario based on abre brasil virtual discuss forum and its relationship wih schizophrenia into that digital media resource, and third, last movement, highlighting the link between the deviant body and psychotropic, problematizing the used medicine effects and the implications on the current mental health politics, been essential to the analisys and perspective of patient and family in which speeches and reports were collected from the presential ABRE (Brazilian association of families, friends and the schizofrenia wrist fracture person) discussion members. Therefore, we’re referring to the literature about mental ilness, elaborated analysys from virtual group discussion, Abre_Brasil, and the ethnographical researches realized into presential Abre group as well, where familiars, caregivers and whose are classified as schizophrenic by the medical scientific agents, they all find a place where they can share and exchange their experiences on social interactions. So on, we discuss the recent methods of incarceration in the post-reform age, problematizing, as well, the psichotropic, appointed the main responsible for the estabilization and destabilization in schizophrenia. And last we close the reflection through the polictical issues into these incarceral moviments, not completely closed yet