Bem Viver: neoliberalismo e unidade política

This thesis, Living Well: neoliberalism and political unity, seeks to analyse the proveniences of Living Well; and how a political unity within a territory is constructed connecting different peoples and cultures. The Ecuadorian indigenous movement has had a significant participation in this process...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2016
Main Author: Osório, Vitor do Amaral lattes
Orientador/a: Passetti, Edson
Format: Dissertação
Language:por
Published: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Sociais
Department: Faculdade de Ciências Sociais
Assuntos em Portugês:
Assuntos em Inglês:
Áreas de Conhecimento:
Online Access:https://tede2.pucsp.br/handle/handle/19412
Citação:Osório, Vitor do Amaral. Bem Viver: neoliberalismo e unidade política. 2016. 219 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) - Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Sociais, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2016.
Resumo Português:Esta dissertação, Bem Viver: neoliberalismo e unidade política, buscou analisar as procedências do Bem Viver e como se forma uma unidade política em um território com diferentes povos e culturas. O movimento indígena equatoriano teve relevante participação nesse processo articulando as lutas por terra e pelo reconhecimento das nacionalidades indígenas, alcançando o patamar de principal força da sociedade civil. A noção de Bem Viver é efeito dessas lutas e uma tentativa de responder às demandas do movimento indígena organizado, ao mesmo tempo em que segue as diretrizes internacionais em relação ao desenvolvimento sustentável. Saberes e práticas antes sujeitados, como o Sumak Kawsay se tornam relevantes para o processo de produção e participação contínua característicos da efetivação da racionalidade neoliberal. No caso do Equador, a noção de Bem Viver foi introduzida na Constituição da República do Equador de 2008, e faz parte da planificação nacional, fundamentada nos direitos humanos e da natureza. A partir de uma análise genealógica, pretende-se expor como as lutas compuseram a construção da verdade sobre o Bem Viver e quais são os elementos diversos por ele conectados
Resumo inglês:This thesis, Living Well: neoliberalism and political unity, seeks to analyse the proveniences of Living Well; and how a political unity within a territory is constructed connecting different peoples and cultures. The Ecuadorian indigenous movement has had a significant participation in this process while articulating the struggle for land and the recognition of the indigenous nationalities until they reached the position of the most relevant force within social society. The notion ofLiving Well is an effect of those struggles and an attempt to respond to the demands from the organized indigenous movement, while it follows the international directives on sustainable development. Knowledge and practices once subjected, such as the Sumak Kawasay, has become relevant to the process of continuous production and continuous participation characteristic of the effectiveness of the neoliberal rationality. In the case of Ecuador, the concept of Living Well has been introduced in the 2008 Ecuadorian Constitution, and it is part of the national planning based on human and nature rights. From a genealogical analysis perspective, it is our goal to expose how the struggles has composed the constructions of truth around the Living Well and which are the multiple elements connected by this notion