Fogo fátuo, fogo fatal pré-história e indeterminação na ficção científica

This research presents reflections from an anthropological perspective about scientific, social and ethical questions, inherent to what, in popular conception, is by convention the beginning and the end of the civilizatory process. It is used as a system of references, in the first place, the collec...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2016
Main Author: Palhares, Edilson Rodrigues lattes
Orientador/a: Rangel, Lucia Helena Vitali
Format: Tese
Language:por
Published: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Sociais
Department: Faculdade de Ciências Sociais
Assuntos em Português:
Assuntos em Inglês:
Áreas de Conhecimento:
Online Access:https://tede2.pucsp.br/handle/handle/19070
Citação:Palhares, Edilson Rodrigues. Fogo fátuo, fogo fatal pré-história e indeterminação na ficção científica. 2016. 342 f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) - Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Sociais, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2016.
Resumo Português:A presente pesquisa apresenta reflexões de cunho antropológico sobre questões científicas, sociais e éticas inerentes ao que se convencionou ser, na concepção popular, o início e o fim do processo civilizatório. Tem-se como referencial, em primeiro plano, o imaginário coletivo sobre o homem pré-histórico e, em segundo, as incertezas durante a Guerra Fria entre Estados Unidos e União Soviética no século passado. Para isso, os objetos de pesquisa selecionados são filmes de cinema do gênero ficção científica (mesmo que à primeira vista não o pareçam) que permitem o recorte sobre as potencialidades ambíguas do uso do fogo – o grande personagem desta tese. No caso, "A Guerra do Fogo", de 1981, e "O Dia Seguinte”, de 1983, levando-se em conta a sugestão, implícita no primeiro, de que a produção do fogo no Paleolítico foi um marco significativo para o distanciamento dos domínios “cultura” e “natureza” no homem. Dessa forma, “A Guerra do Fogo” é o objeto de pesquisa primário. Enseja-se demonstrar que essa produção, apesar de apresentar certas concepções equivocadas sobre a Pré-história, tem a contribuir para a divulgação e educação científica, desde que se diferencie, para fins didáticos, sua arte da ciência. Dentro dessa proposta, o segundo filme é usado como reforço, pela importância histórica e temática contemporânea. Na sustentação teórica, destacam-se Edgar Morin, quanto ao cinema e Antropologia; Darko Suvin, na ficção científica (além dos diretores de ambos os filmes); e Gaston Bachelard, na ambiguidade do fogo. Há de se considerar que, inesperadamente, a vida e a obra de J.-H. Rosny aîné, autor do romance de onde “A Guerra do Fogo” extraiu seu argumento, mostrou-se de grande valor para mostrar o quanto os filmes de ficção científica, normalmente desprezados como obras de conteúdo intelectual, têm a contribuir para uma sociedade melhor, e perene
Resumo inglês:This research presents reflections from an anthropological perspective about scientific, social and ethical questions, inherent to what, in popular conception, is by convention the beginning and the end of the civilizatory process. It is used as a system of references, in the first place, the collective imaginary about prehistoric man and, in second place, the uncertainness during the Cold War between the United States and the Soviet Union in the last century. Thus, the selected research objects are science fiction movies (even if at first glance they do not seem to be part of this genre) that permit observing the ambiguous potentialities in the use of fire – the main character of this thesis. Those movies are “Quest for Fire”, from 1981, and “The Day After”, from 1983, being considered the suggestion, implicit in the first movie, that the production of fire in the Paleolithic Period was a significant mark for the separation of the ambits of “culture” and “nature” in man. In this way, “Quest for Fire” is the primary research object. This thesis aims to demonstrate that this movie, though it presents some mistaken conceptions about prehistory, can contribute to science education and publicizing, provided that, to didactic ends, its art is distinguished from science. In this proposition, the second movie is used as reinforcement, due to its historical importance and contemporary set of themes. In the theoretical basis are included Edgar Morin, regarding cinema and Anthropology; Darko Suyin, about science fiction (besides the directors of the two movies); and Gaston Bachelard, about the ambiguity of fire. It must be said that, unexpectedly, the life and work of J.-H. Rosny aîné, author of the novel from which “Quest for Fire” took its argument, became of great value to show how much the science fiction movies, usually underrated as works of intellectual content, can contribute to a better and perennial society