O passeio dos quilombolas e a formação do quilombo urbano

SILVA, Djalma Antônio da. The walk of quilombolas and the formation of the urban quilombo. Doctorate Thesis on Social Sciences, presented at the Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC). São Paulo, March of 2005. This dissertation studies the descendants of quilombolas from two communitie...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2005
Main Author: Silva, Djalma Antonio da
Orientador/a: Bernardo, Teresinha
Format: Tese
Language:por
Published: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Sociais
Department: Ciências Sociais
Assuntos em Portugês:
Assuntos em Inglês:
Áreas de Conhecimento:
Online Access:https://tede2.pucsp.br/handle/handle/4022
Citação:Silva, Djalma Antonio da. The walk of quilombolas and the formation of the urban quilombo.. 2005. 432 f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2005.
Resumo Português:SILVA, Djalma Antônio da. O passeio dos quilombolas e a formação do quilombo urbano. Tese de doutorado em Ciências Sociais, apresentada à Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC). São Paulo, março de 2005. Esta tese estuda os remanescentes de quilombos de duas comunidades da Zona da Mata Mineira: Colônia do Paiol, cuja origem data da segunda metade do século XVIII, com nove ex-escravos do fazendeiro José Ribeiro Nunes, que lhes doou as terras, conforme testamento constante no Arquivo Público do Fórum de Barbacena, Minas Gerais. A segunda comunidade é Bias Fortes, fundada na primeira metade do século XVIII, a partir de um quilombo de escravos fugitivos e de imigrantes que ulteriormente a povoaram. Para tanto, contextualiza-se historicamente o significado e a evolução da presença de escravos em terras mineiras, a partir do final do século XVII, com o tráfico negreiro dirigido sobretudo à exploração do ouro durante todo o seu ciclo. Destaca-se que a escravidão no Brasil não foi homogenia: dependia do ciclo econômico, do seu momento, da região, da época. Nesse quadro, os quilombos merecem especial atenção, estudando-lhes os mecanismos originantes, tais como as alforrias e as fugas, bem como a situação geográfica e social em relação à sociedade da época, e as formas de controle e repressão usadas pelo establishement colonial contra eles. Através do registro de relatos e narrativas orais de membros dessas comunidades, reconstitui-se a gênese, traça-se o desenvolvimento histórico, rememoram-se os fatos e as pessoas que os protagonizaram, investigam-se as movimentações migratórias e seus destinos para, enfim, estabelecer-se um paralelo entre o passado e o presente dessas populações de quilombolas cuja origem foram Bias Fortes e Colônia do Paiol e que migraram para Juiz de Fora.
Resumo inglês:SILVA, Djalma Antônio da. The walk of quilombolas and the formation of the urban quilombo. Doctorate Thesis on Social Sciences, presented at the Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC). São Paulo, March of 2005. This dissertation studies the descendants of quilombolas from two communities in the Zona da Mata Mineira: Colônia do Paiol, which beginnings are from the second half of the 18 th Century, through the donation of lands made by the farmer José Ribeiro Nunes, according to his own will registered at the Public Archives of the Court of the City of Barbacena, Minas Gerais; the second community is Bias Fortes, founded at the first half of the 18 th Century, through a quilombo of fugitives slaves and of migrants that later populated the area. For this purpose, the author contextualizes historically the meaning and the evolution of the presence of slaves in the lands of Minas Gerais, since the ends of the 17 th Century, within the black during the golden cycle. It is remarked that slavery in Brazil was not homogeneous: it depended on the economic cycle, on its moment, on the region and on the times. In this frame, quilombos are worthy of special attention, studying the mechanisms that gave them birth, specially the letters of freedom (cartas de alforria) and the escapes, studying as well the geographic and social situation of the quilombos towards the whole society of the time, as well as the ways of control and repression perpetrated by the colonial establishment against them. Trough the register of oral reports and narratives of members from these communities, the author reconstitutes the genesis, summarizes the historical development, rememorizes the facts and the people who lived them, investigates the migration moviments and their destination, forward to, at last, establishing a parallel between the past and the present of these populations of quilombolas which origins were Bias Fortes and Colônia do Paiol and who migrated to Juiz de Fora.