A relação conflituosa entre médicos e enfermeiras no contexto hospitalar

The present paper aims at understanding the relationships between physicians and nurses in the hospital environment. Power relationships are discussed in this particular environment, where, due to the classical pattern most hospitals follow, tension and dispute between professional categories take p...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2006
Main Author: Silva, Itala Maria Bazzarelli Pereira
Orientador/a: Concone, Maria Helena Villas Bôas
Format: Tese
Language:por
Published: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo
Programa: Programa de Estudos Pós-Graduados em Ciências Sociais
Department: Ciências Sociais
Assuntos em Português:
Assuntos em Inglês:
Áreas de Conhecimento:
Online Access:https://tede2.pucsp.br/handle/handle/3735
Citação:Silva, Itala Maria Bazzarelli Pereira. A relação conflituosa entre médicos e enfermeiras no contexto hospitalar. 2006. 157 f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2006.
Resumo Português:Esta tese busca a compreensão das relações entre médicos e enfermeiras no contexto hospitalar. As relações de poder são discutidas nesse contexto por ser ele um cenário privilegiado onde a tensão e a disputa entre as diversas categorias profissionais se instalam devido a um modelo clássico hospitalar. Escolhemos trabalhar as relações entre o corpo médico e o de enfermagem por entendermos que tais relações são clássicas elas mesmas e apontam para aspectos pertinentes à estrutura social, às relações de trabalho e a valores culturais. Por outras palavras, a análise destas relações embora circunscritas, permitem ultrapassá-las iluminando aspectos da nossa realidade sócio-cultural abrangente. A partir desta relação, alguns recortes se impuseram. Assim, discutimos as questões de gênero por ainda ser a profissão de enfermagem majoritariamente feminina e não obstante a profissão médica ser hoje um campo de atuação de profissionais de ambos os sexos, a profissão mantém uma face masculina que se explicita inclusive na linguagem (os médicos e as enfermeiras). Apontamos também para a questão das desigualdades socioeconômicas por serem estas verdadeiros gatilhos de novas diferenças quanto as possibilidades de acesso a determinados cursos em nosso país, já possibilitando uma questão de elitização de algumas profissões. Finalmente, tratamos das representações sociais como capazes de modular condutas e, no caso em pauta, desempenhar um importante papel de permanência de valores ligados àquelas profissões. As entrevistas realizadas com médicos e enfermeiras mostram bem o campo de tensões onde mudanças e permanências se confrontam. Partimos, então do pressuposto de que para entender as relações entre aquelas duas categorias profissionais temos que levar em conta aspectos da organização hospitalar e aspectos da estrutura social brasileira na qual gênero e classe estão na base da trama social, bem como aspectos da história dessas profissões. Este trabalho se inscreveu num campo interdisciplinar e o encerramos fazendo algumas proposições para o campo da atenção à saúde em geral
Resumo inglês:The present paper aims at understanding the relationships between physicians and nurses in the hospital environment. Power relationships are discussed in this particular environment, where, due to the classical pattern most hospitals follow, tension and dispute between professional categories take place. We chose to work the relationships between medical and nursing staffs because we understand that such relationships themselves are classical and they point to aspects that are pertinent to social structure, to work relationships, and to cultural values. In other words, though these relationships are delimited, their analysis enables us to go beyond them, bringing into light some aspects of our socio-cultural reality. Based on this relationship, some aspects were seen as relevant. Thus, gender (male / female) was one of the subjects discussed regarding both professions: nursing and medicine. The nursing career has women as the majority of professionals; though physicians can be both male and female, the medicine profession still keeps a male face which is explicit even in terms of language: in Portuguese, the phrase as enfermeiras uses a feminine definite article and noun ending, while in os médicos the masculine definite article and masculine ending are used. We also point out to the problem of socioeconomic differences, for they trigger new restrictions regarding the possibility of access to specific courses in Brazil. Finally, we approached social representations as capable of determining behaviors, and in the case studied, they play the important role of keeping the value connected to those professions. The interviews with physicians and nurses bring to light the tension field where changes and permanence are in conflict. We started from the assumption that in order to understand the relationships between those two professional categories we have to take into account aspects such as hospital organization and Brazilian social structure, which has gender and class at the base of its social formation, as well as aspects of the history of those professions. This work was part of an interdisciplinary field, and we finished it making some propositions regarding closer attention to health in general