Avaliação do efeito da naringenina na inibição da neovascularização induzida por álcali em olhos de camundongos

A Naringenina, (4´, 5, 7- trihidroxiflavanona) é encontrada de forma abundante nas frutas cítricas, como “grapefruit”, limão e laranja; é uma flavanona, classe de flavonóide considerada como um agente antioxidante, anti-inflamatória e antiangiogênica com papel na prevenção doenças neurodegenerativas...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2014
Main Author: Ana Paula Miyagusko Taba Oguido
Orientador/a: Antonio Marcelo Barbante Casella .
Banca: Gerson Jorge Aparecido Lopes, Rui Barroso Schimiti, Sandra Regina Georgetti, Silvio Henrique Maia de Almeida
Format: Tese
Language:por
Published: Universidade Estadual de Londrina. Centro de Ciências da Saúde. Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde.
Online Access:http://www.bibliotecadigital.uel.br/document/?code=vtls000194851
Resumo Português:A Naringenina, (4´, 5, 7- trihidroxiflavanona) é encontrada de forma abundante nas frutas cítricas, como “grapefruit”, limão e laranja; é uma flavanona, classe de flavonóide considerada como um agente antioxidante, anti-inflamatória e antiangiogênica com papel na prevenção doenças neurodegenerativas, arteriosclerose, na geração de tumores e infecções. Assim, o objetivo do trabalho foi avaliar a inibição da neovascularização corneana pela naringenina e seu mecanismo de ação através da monitoração da atividade de mieloperoxidase (MPO), n-acetil-&#946;-D glucosaminidase (NAG), dos níveis de IL-1&#946;, IL-6 e IL-10, da atividade antioxidante através dos ensaios da redução de poder de redução férrico (FRAP), e da capacidade antioxidante total do radical ácido 2,2&#697;-Azinobis-(3-Etilbenzotiazolina 6-Sulfônico) (ABTS), dos níveis de antioxidantes, a glutationa (GSH) e proteína sulfidrila (PSH). Os animais foram divididos em grupos controle negativo sem estímulo neovascular (NaOH 1N), grupo controle positivo com estímulo neovascular tratado com solução fisiológica, grupo teste com estímulo neovascular tratado com suspensão de naringenina tópica em diferentes concentrações (subgrupos 0,08, 0,8, 8 e 80µg) aplicada duas vezes ao dia por 7 dias, iniciando 3 dias antes do estímulo com NaOH e grupo apenas com naringenina(80µg) sem estímulo neovascular. A naringenina reduziu o recrutamento de neutrófilos e macrófagos de forma dose dependente, sendo mais efetiva na maior concentração e reduziu de forma significativa (p<0.01) a área de neovascularização. A naringenina (80µg) inibiu a expressão de IL-1&#946;, IL-6, de forma significativa (p<0.05) nas análises realizadas 2, 4 e 6 horas após o estímulo com NaOH. Em relação a IL-10 houve uma tendência de aumento. Além disso, a naringenina inibiu a depleção da capacidade total antioxidante em 4 e 6 horas, e inibiu a depleção de GSH e PSH, de forma siginificativas nas medidas realizadas em 2, 4 e 6 horas. A naringenina demonstrou potencial inibitório da neovascularização corneana através dos mecanismos anti-inflamatório e antioxidante. O uso de colírio tópico de naringenina pode ser considerado um promissor adjuvante na modulação da resposta inflamatória e neovascularização corneana.
Resumo inglês:Naringenin (4´, 5, 7- trihydroxyflavavone), abundantly found in citric fruits, such as limes, oranges, and grapefruits, is a flavanone, a flavonoid class. It is considered an antioxidant, anti-inflammatory, and angiogenesis inhibitor with roles in preventing neurodegenerative diseases, arteriosclerosis, and creation of tumors and infections.Thus, the goal of this work was to evaluate the inhibition of corneal neovascularization by naringenin and its mechanism of action through monitoof the activity of myeloperoxidase (MPO) and N-acetyl-&#946;-D-glucosaminidase (NAG); the levels of IL-1&#946;, IL-6, and IL-10; the antioxidant effect on the Ferric Reducing Ability of Plasma (FRAP); the acid 2,2’-Azino-bis(3-ethylbenzothiazoline-6-sulfonic acid) (ABTS); and the levels of antioxidants, glutathione (GSH), and Protein Sulfhydryl (PSH).The animals were divided into a negative control group without neovascular stimulus (NaOH 1N); a positive control group with neovascular stimulus treated with a physiological solution; a test group with neovascular stimulus treated with a topic naringenin suspension in different concentrations (subgroups of 0.08, 0.8, 8, and 80µg) applied twice a day over a seven-day period, which began three days before the NaOH stimulus; and a group with naringenin (80µg) without neovascular stimulus. Dose-dependent naringenin reduced the neutrophils and macrophages recruitment, being most effective in a major concentration, and it reduced in significant form (p < 0.01) the area of neovascularization. Naringenin (80µg) inhibited the expression of IL-1&#946; and IL-6 in significant form (p<0.05) in analyses performed two, four, and six hours after the NaOH stimulus. In regards to IL-10, there was a tendency of it increasing. Furthermore, naringenin inhibited the depletion of the total antioxidant capacity in analyses after four and six hours. It also inhibited the depletion of GSH and PSH in significant form in analyses performed in two, four, and six hours afterwards. Naringenin has demonstrated inhibitor potential on corneal neovascularization through its anti-inflammatory and antioxidant mechanisms. Its eye drop use could be considered a promising adjuvant in the modulation of inflammatory response and corneal neovascularization.