O espírito que se torna livre para atingir os altos fins da existência: os vitalismos de Hahnemann e Nietzsche

Esta pesquisa tematiza o conceito saúde na perspectiva dos modelos médicos vitalistas, situando-se no eixo da dimensão doutrina médica das Racionalidades Médicas, e tem como objeto de estudo os vitalismos de Hahnemann e Nietzsche. A partir do levantamento e análise bibliográfica de textos e da abord...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2010
Main Author: Denise Scofano Diniz lattes
Orientador/a: Madel Therezinha Luz lattes
Banca: Carlos Alberto Plastino lattes, Silvia Pimenta Velloso Rocha lattes, Jorge Calmon de Almeida Biolchini lattes, Paulo Rosenbaum lattes
Format: Tese
Language:por
Published: Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Programa: Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva
Assuntos em Portugês:
Assuntos em Inglês:
Áreas de Conhecimento:
Online Access:http://www.bdtd.uerj.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=1643
http://www.bdtd.uerj.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=1644
Resumo Português:Esta pesquisa tematiza o conceito saúde na perspectiva dos modelos médicos vitalistas, situando-se no eixo da dimensão doutrina médica das Racionalidades Médicas, e tem como objeto de estudo os vitalismos de Hahnemann e Nietzsche. A partir do levantamento e análise bibliográfica de textos e da abordagem disciplinar histórica e filosófica, teve como objetivos analisar os conceitos de vida, saúde, doença e cura presentes nos pensamentos desses autores, traçar correspondências e explicitar as diferenças dos pensamentos envolvidos. Como apoios teóricos os trabalhos de Canguilhem, Luz e Foucault. Partindo da ênfase na atitude vital do sujeito em seu processo de saúde-doença-convalescença-cura, que ambos pensadores destacam, buscou-se avaliar as hipóteses de o vitalismo hahnemanniano se assemelhar ao nietzscheano e se seria possível afirmar que a busca da grande saúde equivaleria à meta do tratamento homeopático ao contemplar a liberdade do espírito na conquista da ampliação da normatividade vital. Concluiu-se que os vitalismos de Hahnemann e Nietzsche são semelhantes na medida em que as bases de seus pensamentos ressaltam a vida enquanto um jogo de forças e luta, onde enfatizam a irredutibilidade dos fenômenos dos vivos às propriedades físico-químicas; a concepção dos seres humanos como totalidades únicas e singulares nas quais há um jogo de forças atuantes, promovendo diferentes saúdes no mesmo indivíduo, de acordo com as variadas fases da vida; e as hierarquias existentes entre as forças, resultando em análises diagnósticas, possibilidades de intervenção terapêutica e acompanhamento do processo saúde-doença. Correspondem a formas de olhar a vida humana de modo dinâmico, valorizando todos os aspectos físicos, mentais, emocionais e as interações/relações com o meio em que vive. A grande saúde para um espírito que se torna o que é amplia o ideal de cura homeopático ao contribuir para a ressignificação do conceito de saúde como expansão da normatividade vital e da vida como criação de valor, promovendo deslocamentos de perspectivas individual e coletiva, a fim da conquista de uma saúde mais alegre e vital e afirmadora do espírito livre. Ambos os pensamentos podem promover importantes reavaliações do conceito de vida e saúde na sociedade e na medicina contemporâneas, centradas nos valores estatisticamente determinados, generalizantes e normalizadores do paradigma normal/patológico
Resumo inglês:This research discusses the health concept from the perspective of vitalistic medical models, ranging in the axis of Medical Rationale medical doctrine, having as study object the vitalist studies by Hahnemann and Nietzsche. From the survey and literature review of texts and the historical and philosophical disciplinary approach, it aimed at analyzing the concepts of life, health, disease and cure in the thoughts of these authors, drawing connections and explaining the differences of thoughts involved. The theoretical support were the works of Canguilhem, Luz and Foucault. Starting from the emphasis on the vital attitude of the subject in the health-disease-convalescence-healing process, that both thinkers emphasize, we sought to assess the idea that Hahnemanns vitalism resembles Nietzsches, and whether it is possible to say that the pursuit of big health would the goal of homeopathic treatment to address the freedom of spirit in achieving the expansion of the vital normativeness. It was concluded that Hahnemanns and Nietzsches vitalisms are similar in that the foundations of their thoughts emphasize life as a game of power and control, which emphasize the irreducibility of the phenomena of living beings to physical and chemical properties; the design of human beings as unique and singular wholes in which there is a set of interacting forces, promoting different types of health in the same individual, according to the varied stages of life and the hierarchies between the forces resulting in diagnostic tests, opportunities for therapeutic intervention and monitoring of the health-disease process. They correspond to ways of looking at life in a dynamic manner, valuing all physical, mental, emotional aspects and interactions/relations with the environment in which they live. The great health to a spirit that becomes what it is it expands the ideal of homeopathic cure by helping reframe the concept of health as expanding the normativity of life and life as value creation, promoting shifts in individual and collective perspectives, to conquer a living and happier life and affirming the free spirit. Both thoughts can promote significant revaluation of the concept of life and health in contemporary society and medicine, focusing on values statistically determined, generalizing and standardization of individuals of the paradigm normal/pathologic