A comunicação na prática homeopática: como a racionalidade homeopática se expressa na comunicação entre médico e paciente?

No atual contexto da prática médica no Brasil, observa-se o predomínio de uma comunicação de caráter informativo, normativo e com pouca ênfase na promoção da autonomia dos pacientes, secundarizando o diálogo e a compreensão do paciente sobre o processo saúde-doença-cuidado. Esse tipo de prática base...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2015
Main Author: Denise Espiúca Monteiro lattes
Orientador/a: Adriana Cavalcanti Aguiar lattes
Banca: Kenneth Rochel de Camargo Junior lattes, Wilson Couto Borges lattes, Alicia Regina Navarro Dias de Souza lattes
Format: Dissertação
Language:por
Published: Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Programa: Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva
Assuntos em Portugês:
Assuntos em Inglês:
Áreas de Conhecimento:
Online Access:http://www.bdtd.uerj.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=9211
http://www.bdtd.uerj.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=9230
Resumo Português:No atual contexto da prática médica no Brasil, observa-se o predomínio de uma comunicação de caráter informativo, normativo e com pouca ênfase na promoção da autonomia dos pacientes, secundarizando o diálogo e a compreensão do paciente sobre o processo saúde-doença-cuidado. Esse tipo de prática baseia-se fortemente no Modelo Biomédico, que enfoca prioritariamente a doença e as lesões orgânicas, o que em muitas situações colabora para a medicalização, a (super)especialização e fragmentação do cuidado, comprometendo a qualidade da relação médico-paciente e a resolutividade das ações de saúde. Em contrapartida, uma prática médica centrada no paciente e que valorize a compreensão de sua interpretação da saúde-doença favorece a construção da integralidade do cuidado e a maior efetividade das ações. A presente pesquisa exploratória, predominantemente qualitativa com componente quantitativo investiga as práticas comunicacionais na relação médico-paciente na consulta homeopática, pautada pelo paradigma Vitalista. Nessa especialidade médica oferecida desde 1988 pelo Sistema Único de Saúde, e desde 2006, integrante da Polícia Nacional de Práticas Integrativas e Complementares do Ministério da Saúde, compreender múltiplas dimensões da existência e adoecer humanos demanda competência narrativa para a prática de sua semiologia, baseada na escuta atenta e implicada dos contextos biopatográficos, valorizadora dos sentidos atribuídos às vivências pelos sujeitos. Foram gravadas oito consultas de primeira vez realizadas num ambulatório-escola por médicos experientes, transcritas e submetidas à Análise de Conteúdo, que permitiram analisar como os fundamentos da racionalidade homeopática podem contribuir para a produção compartilhada de sentidos. Os resultados estão organizados nas categorias: Tomada de Turnos e Controle de Tópicos, Concepção de Saúde-Doença-Cuidado, Itinerários Terapêuticos, Ethos científico e Ethos do Mundo da Vida, Capacidade empática (atitudes de apoio, legitimação e polidez) e O Papel do Médico. Observa-se que a comunicação que estabelecida nesse tipo de prática em saúde avança na construção da integralidade da atenção e pode contribuir para a maior resolutividade do cuidado em saúde na medida em que minimiza a dicotomia entre mental e somático, individual e social.
Resumo inglês:The predominance of informative and normative communication is observed in the current context of medical practice in Brazil. This practice relies on Biomedical Model focus on disease and organ damage, with little emphasis on dialogue and understanding of the patient on the health-illness care, which in many cases contributes to the social medicalization, the medical specialization and fragmentation of care, negatively affecting the quality of the doctor-patient relationship on promoting patient autonomy and the solving of health actions. In contrast, a patient-centered medical practice that enhances understanding of their interpretation of health-disease favors a holistic care and a greater effectiveness of actions. This exploratory research, predominantly qualitative with quantitative component investigates the communicative practices in the doctor-patient relationship in homeopathic consultation, is guided by vitalist paradigm. Looking broadly at the patient and the illness, homeopathic practice provides the means to understand the personal connections between patient and physician to improve the effectiveness of their work. This medical specialty offered since 1988 by SUS, and since 2006, included in PNPIC, requires narrative competence to practice their semiotics. Eight inquiries were first recorded performed in a clinic-school by experienced doctors, transcribed and submitted to content analysis, allowing to analyze how the foundations of homeopathic rationality can contribute to the health care. The results are organized into categories shifts: Topics Control, Health-Disease-Cares Concept, Therapeutic Itineraries, Scientific Ethos and Life Ethos, Empathic Capacity (attitudes of support, legitimacy and politeness) and The Role of the Physician. It is observed that the communication established in this type of health practice advances in the construction of an integral care and can contribute to the better resolution of care in that it minimizes the dichotomy between mental and somatic, individual and social.