As múltiplas funções da agricultura familiar camponesa: práticas sócio-culturais e ambientais de convivência com o semi-árido.

A multifuncionalidade da agricultura pauta-se na compreensão de que a mesma, além de produzir alimentos e fibras, desempenha outras funções de fundamental importância na dinâmica de desenvolvimento rural. Este entendimento amplia o campo das funções socioeconômicas atribuídas à agricultura, deixando...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2009
Main Author: ALVES, Arilde Franco. lattes
Orientador/a: MALAGODI, Edgard Afonso. lattes
Banca: DUQUE, Ghislaine., CERDAN, Claire Marie Thuillier., MACHADO, Gustavo Bittencourt., MOREIRA, Emília de Rodat Fernandes.
Format: Tese
Language:por
Published: Universidade Federal de Campina Grande
Programa: PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS
Department: Centro de Humanidades - CH
Assuntos em Português:
Áreas de Conhecimento:
Online Access:http://dspace.sti.ufcg.edu.br:8080/jspui/handle/riufcg/2276
Citação:ALVES, Arilde Franco. As múltiplas funções da agricultura familiar camponesa: práticas sócio-culturais e ambientais de convivência com o semi-árido. 2009. 340f. (Tese de Doutorado em Ciências Sociais) - Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais, Centro de Humanidades, Universidade Federal de Campina Grande - Paraíba - Brasil, 2009.
Resumo Português:A multifuncionalidade da agricultura pauta-se na compreensão de que a mesma, além de produzir alimentos e fibras, desempenha outras funções de fundamental importância na dinâmica de desenvolvimento rural. Este entendimento amplia o campo das funções socioeconômicas atribuídas à agricultura, deixando de ser entendida apenas como produtora de bens agrícolas. Então, partindo do pressuposto que as dinâmicas produtivas e sócioculturais decorrem de relações sociais próprias da agricultura, marcadas por inúmeras representações relacionadas à convivência com a semiaridez, utilizou-se como ferramenta analítica a noção de multifuncionalidade, para demonstrar a importância sociológica das múltiplas funções da agricultura familiar camponesa no contexto do semi-árido. Dessa maneira, permitiu analisar as diferentes funções e atividades exercidas pelas famílias de camponeses, enquanto características intrínsecas e necessárias aos estabelecimentos familiares, e enquanto funções essencialmente diferentes das funções econômicas produtivas, através da interação entre famílias e o meio-ambiente em sua dinâmica própria de reprodução social, considerando os diversos “modos de vida” das famílias na sua integridade. Metodologicamente a pesquisa esteve centrada nas famílias camponesas, valendo-se de questionários semi-estruturados, aplicados em uma amostragem de oito “sítios” de quatro municípios do Curimataú Ocidental – Agreste Paraibano e em seus territórios, com base em informações secundárias e em entrevistas com „atores sociais‟ locais, no sentido de apontar que essa diversidade de atividades é „produtora‟ de externalidades positivas de sustentabilidade ambiental. Os resultados ratificam pesquisas anteriores de que a agricultura perde a exclusividade do seu caráter produtivo e econômico, assumindo cada vez mais o caráter de um espaço de vida, „produtor‟ de externalidades e bens públicos. Também confirmam a hipótese, de que a demonstração das múltiplas funções da agricultura poderá apontar diretrizes para uma política agrícola, desde que específica às condições estudadas. Além disso, dadas as práticas de convivência com a semi-aridez (Barragens subterrâneas, tanques de pedra, cisternas de placas, etc.), confirmam parcialmente a segunda hipótese, de que as múltiplas funções contemplam, além da qualidade de vida, ações de Desenvolvimento Territorial Sustentável, devido a persistente desarticulação nas ações dos gestores públicos locais junto aos agricultores; Tampouco esses agricultores, visualizam os múltiplos papéis que cumprem ou são capazes de cumprir, enquanto „atores‟ desse rural distinto e diversificado. Contudo, há elementos que apontam na direção de um papel de coesão social, que a agricultura e/ou as atividades a ela ligadas podem propiciar, a exemplo da pluriatividade, da produção agropastoril (milho, feijão e caprinos) voltada para o autoconsumo e da política pública do PRONAF, este último confluindo na construção de um processo coletivo de organização dos agricultores.
The multifunctionality of agriculture is based on the comprehension that it, besides producing foods and fibers, plays other functions of fundamental importance in the dynamic of agricultural development. This understanding enlarges the socioeconomic functions field attributed to agriculture, not being understood only as an agricultural goods producer. So, assuming that the productive and socio-cultural dynamics are result of agriculture social relations, marked by numerous representations related to “coping” with the semi-aridness, it was used as an analytical tool the concept of multifunctionality, to demonstrate sociological importance of the multiple functions of peasant family agriculture in the context of semi-arid. In this way, it was allowed to analyze the different functions and activities done by the peasant families, while intrinsic characteristics and the ones necessary to the familiar establishments, and while essentially different functions from productive economic functions, through the interaction between families and environment in its proper dynamics of social reproduction, considering the diverse “ways of life” of the families in its integrity. Methodologically, the research was centered in peasant families, using semi-structuralized questionnaires, applied in a sample of eight “small farms” in four cities from Curimataú Ocidental – Agreste Paraibano and in its territories, based on secondary information and on interviews with „local social actors‟, in order to point that that diversity of activities is producer‟ of positive externalities of environment sustainability. The results ratify previous researches that agriculture loses the exclusiveness of its productive and economic character, assuming each time more the character of a space of life „producer‟ of externalities and public goods. They also confirm the hypothesis that the demonstration of multiple functions of agriculture will be able to point guide lines to agricultural politics, since the studied conditions are specified. Moreover, given the practical coexistence “coping” with semiaridness (underground barrages, tanks of stone, watering holes of plates, etc.), they partially confirm the second hypothesis, that multiple functions contemplate, even the quality of life, actions of Sustainable Territorial Development, due to the persistent disarticulation in the actions of the local public managers together with the farmers; Neither these farmers visualize the multiple roles that fulfill or are able to fulfill, while „actors” of this distinct and diversified agriculture. However, there are elements that point in the direction of a role of social cohesion, that agriculture and/or activities linked to it can propitiate, as the example of pluriactivity, of farming production (maize, beans and goats) towards the auto consumption and of public politics of PRONAF, this last converging in the construction of a collective process of organization of farmers.