Os espinhos, as flores e os frutos do mandacaru: As transformações na configuração social de uma comunidade rural camponesa a partir da intervenção de atores externos.

A tese pretende demonstrar como a ação coletiva incentivada por atores externos - entidades e organizações que fazem parte da Articulação do semiárido Paraibano (ASA-Paraíba) - foi desenvolvida na Comunidade rural de Mandacaru, localizada no Cariri paraibano. Nosso objetivo foi analisar como as açõe...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2011
Main Author: OLIVEIRA, Maria do Socorro de Lima. lattes
Orientador/a: DUQUE, Ghislaine. lattes
Banca: CANIELLO, Márcio de Matos., MENEZES, Marilda Aparecida de., RAMOS, Nerize Laurentino.
Format: Tese
Language:por
Published: Universidade Federal de Campina Grande
Programa: PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS SOCIAIS
Department: Centro de Humanidades - CH
Assuntos em Português:
Áreas de Conhecimento:
Online Access:http://dspace.sti.ufcg.edu.br:8080/jspui/handle/riufcg/2370
Citação:OLIVEIRA, Maria do Socorro de Lima. Os espinhos, as flores e os frutos do mandacaru: As transformações na configuração social de uma comunidade rural camponesa a partir da intervenção de atores externos. 2011. 261f. (Tese de Doutorado em Ciências Sociais) - Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais, Centro de Humanidades, Universidade Federal de Campina Grande - Paraíba - Brasil, 2011.
Resumo Português:A tese pretende demonstrar como a ação coletiva incentivada por atores externos - entidades e organizações que fazem parte da Articulação do semiárido Paraibano (ASA-Paraíba) - foi desenvolvida na Comunidade rural de Mandacaru, localizada no Cariri paraibano. Nosso objetivo foi analisar como as ações dos atores externos e dos camponeses alteraram a configuração da comunidade Mandacaru, provocando transformações no modo de produção, no modo de vida e na construção das identidades dos camponeses. A história da constituição da Comunidade Mandacaru evidencia as mudanças sociais ocorridas, ao longo do tempo, em sua configuração social. Mudanças que incidiram desde a formação e divisão da Fazenda, que deu origem à Comunidade, até os dias atuais. A organização social da Comunidade foi gradativamente atingida e transformada pela emergência da ação coletiva, possibilitando o desenvolvimento de um processo de mudança, de mais de quinze anos, que alterou a trajetória social dos camponeses que lá residem e trabalham. Foi através da introdução de iniciativas organizativas e técnicas inovadoras que novas formas de convivência social e ambiental com a região semiárida foram introduzidas na Comunidade. A ação coletiva impulsionada particularmente pelo Sindicato de Trabalhadores Rurais de Soledade (STR) e pelo Programa de Aplicação de Tecnologia Apropriada às Comunidades (PATAC) trouxe para a Comunidade um novo olhar sobre sua organização social e econômica. A grande inovação organizativa, que se justapôs à organização comunitária, foi o Sistema de Fundos Rotativos Solidários (FRS). Esse Sistema constitui uma estratégia aplicada a todas as inovações tecnológicas e produtivas: um conjunto de tecnologias simples, de baixo custo e de grande potencial adaptativo às condições ambientais, como por exemplo: cisterna de placas, barragem subterrânea, cerca de telas, silos ecológicos e diversas formas de manejo sustentável dos recursos naturais e da mata nativa, melhoramento de rebanho, pastos e lavouras, em particular com a adoção do paradigma agroecológico. O resultado deste trabalho é a aprendizagem da gestão coletiva e comunitária de recursos comuns e públicos através do exercício da solidariedade. A Comunidade se fortaleceu e seus membros ganharam autoconfiança. Os camponeses aprenderam a trocar idéias e descobriram que a ação coletiva permite obter resultados difíceis de serem alcançados pela ação individual. Esse processo de construção coletiva se deu de forma conflituosa e intensa, resultando numa profunda transformação no modo de vida, na identidade e nas práticas produtivas dos camponeses.
The thesis aims to ascertain how collective action encouraged by external actors - entities and organizations that are part of the Paraiba Semi-arid Articulation (ParaibaASA) - was developed in the rural community of Mandacaru, located in the Cariri Region, State of Paraiba Cariri. Our goal was to analyze how the actions of external actors and peasants changed the configuration of the community Mandacaru, causing changes in the way of production, lifestyles and identities in the construction of the peasants. The history of the establishment of the Community Mandacaru highlights the social changes, over time, in its social setting. This process focused on the formation and division of the Rural Propriety called Fazenda, which led to the Community, and turned to the present day. The social organization of the Community has gradually affected and transformed by the emergence of collective action, enabling the development of a process of change, more than fifteen years, which changed the social trajectory of the peasants who live there and work. It was through the introduction of innovative techniques and organizational initiatives that new forms of social life and environment with the semi-arid region were introduced into the Community. Collective action driven particularly by the Union of Rural Workers of Solitude (STR) and the Program for Application of Appropriate Technology for Communities (PATAC) brought to a new look at their social and economic organization. The major organizational innovation, which is juxtaposed to the community organization, was the Revolving Funds Solidarity System (FRS). This system is a strategy applied to all technological and productive innovations: a set of simple, low cost and great potential adapted to environmental conditions, such as: tank plates, underground dams, some screens, silos and ecological various forms of sustainable management of natural resources and native forest, breeding herd, pastures and crops, in particular with the adoption of agro-ecological paradigm. The result of this work is the collective learning and community management of common resources and public through the exercise of solidarity. The community is strengthened and its members have gained confidence. The peasants learned to exchange ideas and found that collective action delivers results difficult to be achieved by individual action. This process of collective construction took place not without conflict and intense way, resulting in a profound transformation in the production practices of farmers, their way of life and identity.