O Discurso da Sustentabilidade e a Sustentabilidade do Discurso no Consumo de Alimentos Orgânicos,

O argumento de que são necessárias mudanças nos valores sociais e no comportamento humano, dado que os padrões de consumo e estilos de vida das sociedades contemporâneas são social e ambientalmente insustentáveis, nunca esteve tão em voga como nos dias atuais. Assim, virou lugar-comum falar em suste...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2009
Main Author: Costa, Rômulo Rusley Coimbra
Orientador/a: Sant´Anna, Sérgio Robert de
Banca: CARNEIRO, T. C. J., SCARIM, P. C.
Format: Dissertação
Published: Universidade Federal do Espírito Santo
Mestrado em Administração
Programa: Programa de Pós-Graduação em Administração
Assuntos em Português:
Online Access:http://repositorio.ufes.br/handle/10/2811
Resumo Português:O argumento de que são necessárias mudanças nos valores sociais e no comportamento humano, dado que os padrões de consumo e estilos de vida das sociedades contemporâneas são social e ambientalmente insustentáveis, nunca esteve tão em voga como nos dias atuais. Assim, virou lugar-comum falar em sustentabilidade e estimular mudanças nas atividades de compras dos indivíduos e cobrar destes uma maior responsabilização e contribuição individual para com as questões sociais e ecológicas. Neste contexto, comumente associa-se o consumo de produtos relacionados a alguma causa socioambiental com uma maior consciência e participação dos consumidores no enfrentamento de problemas sociais. Para discorrer sobre este assunto, escolheu-se a categoria de produtos alimentos orgânicos (que possui diversos apelos socioambientais) com o objetivo de buscar compreender, a partir de observações diretas de do discurso proferido por um grupo de consumidores, quais os fatores e/ou valores que influenciam a aquisição destes produtos e em que medida os aspectos preocupação social, econômica e ambiental estão presentes nas suas decisões de compras. Para tanto, optou-se por recorrer à uma pesquisa qualitativa com inspiração etnográfica, que contou com observação participante, entrevistas pessoais e netnografia. Além de identificar elementos recorrentes ao comportamento do grupo, o trabalho possibilitou perceber que para o grupo estudado, o consumo de alimentos orgânicos visa atender mais a interesses individuais do que coletivos e que estes últimos, quando se mostram presentes, estão sempre precedidos de um interesse individual que prevalece, não sendo o fator primordial para o consumo.