Competências administrativas do bibliotecário

Indaga se os bibliotecários reúnem competências administrativas que lhe permitam gerenciar as bibliotecas na contemporaneidade. A pesquisa de natureza exploratória tem como pano de fundo o contexto das bibliotecas e dos bibliotecários na sociedade da informação. Discorre sobre o desafio dos bibliote...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2016
Main Author: Silva, Fabiana Menezes Santos da
Orientador/a: Lima, Clóvis Ricardo Montenegro
Format: Dissertação
Language:por
Department: Niterói
Online Access:https://app.uff.br/riuff/handle/1/1538
Resumo Português:Indaga se os bibliotecários reúnem competências administrativas que lhe permitam gerenciar as bibliotecas na contemporaneidade. A pesquisa de natureza exploratória tem como pano de fundo o contexto das bibliotecas e dos bibliotecários na sociedade da informação. Discorre sobre o desafio dos bibliotecários para compreender e vislumbrar as bibliotecas como organizações e utiliza as metáforas de Garret Morgan para auxiliar nesta compreensão. Aponta a prática biblioteconômica como sendo, ainda, fortemente atrelada ao modelo tradicional de biblioteca e reforça a premência de reflexões sobre o papel do bibliotecário e sua capacidade para agir e gerir seus ambientes de trabalho, na atualidade. O trabalho tem como referencial teórico a Teoria do Agir Comunicativo (Jürgen Habermas), basilar para a proposta de uma administração discursiva, enquanto modelo contemporâneo de gestão organizacional nas bibliotecas; e a Teoria dos Sistemas (Niklas Luhmann), vital para o entendimento destes espaços, enquanto sistemas complexos que precisam recriar sua identidade. Identifica, pela revisão de literatura em comunicações orais apresentadas nos Congressos Brasileiros de Biblioteconomia, Documentação e Ciência da Informação de 2011 e 2013, o enfoque dado pelos profissionais da área para a administração de bibliotecas. Como resultado, mostra que a competência administrativa do bibliotecário é, ainda, precária e tem sido discutida, embora divida espaço com outros vieses como, por exemplo, o de preservação/memória e o pedagógico. Identifica, pela análise das matrizes curriculares, a proporção de carga horária de cunho administrativo ofertada nos cursos de Biblioteconomia brasileiros, bem como que cursos mais se dedicam a este aspecto. Como resultado, chega-se a um grupo de oito escolas, sendo que deste, três cursos encontram-se acima da média geral de oferta de disciplinas de viés gerencial, que é de 25%. Categoriza-se os conteúdos das disciplinas de administração dos cursos acima da média de acordo com as competências gerenciais - técnica, conceitual e humana - descritas por Katz como necessárias ao desempenho de um administrador. Identifica-se maior tendência para conteúdos de foco técnico, seguido do foco conceitual e por fim, o humano. O resultado geral da análise das matrizes curriculares mostra que os cursos de Biblioteconomia buscam sanar as deficiências apontadas na literatura, todavia ainda não atendem à demanda de uma abordagem contemporânea para administração de bibliotecas. Destaca, dentre as habilidades administrativas para reconfigurar bibliotecas contemporâneas, a competência comunicacional, própria de uma Administração Discursiva e capaz de abrir espaços argumentativos para uma reconstrução racional e consensual de um modelo de biblioteca próprio às sociedades complexas. Conclui-se que os esforços para garantir competência administrativa do bibliotecário devem incluir sua competência comunicativa como habilidade indispensável, a ser aprendida e aperfeiçoada desde a sua formação profissional, para formulação de novos modelos de bibliotecas em sociedades complexas.