Políticas linguísticas no ensino de pronúncia do espanhol/L2: em foco, as sbilantes

Este trabalho busca relacionar aspectos das políticas linguísticas - norma, padrão, práticas, atitudes, crenças e representações sociais e linguísticas (CALVET, 2007; BISINOTO, 2007; PETITJEAN, 2009) com fundamentos do ensino de pronúncia (FLEGE, 1981; ELLIS, 1986; ALMEIDA FILHO, 1995; NOBRE & A...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2017
Main Author: Alves, Davidson Martins Viana
Orientador/a: Diez, Xoán Carlos Lagares
Format: Dissertação
Language:por
Department: Niterói
Online Access:https://app.uff.br/riuff/handle/1/3788
Resumo Português:Este trabalho busca relacionar aspectos das políticas linguísticas - norma, padrão, práticas, atitudes, crenças e representações sociais e linguísticas (CALVET, 2007; BISINOTO, 2007; PETITJEAN, 2009) com fundamentos do ensino de pronúncia (FLEGE, 1981; ELLIS, 1986; ALMEIDA FILHO, 1995; NOBRE & ALMEIDA, 2014). Objetiva-se analisar a pronúncia, especificamente, das consoantes sibilantes do espanhol, desde a evolução fonética do espanhol como L1 à produção oral de falantes de espanhol/L2. Cabe ressaltar que a supracitada produção oral compõe-se de dados empíricos do uso e apoia-se em ferramentas de tecnologia de fala, como o software de análise e síntese de fala – PRAAT, versão 6.0.23. Metodologicamente,com a produção de fala (corpus 1) de 30 participantes, alunos da graduação de Letras: Português/Espanhol da UFRJ, busca-se descrever o uso dos sons sibilantes que estão em alternância com outros itens sonoros nesse processo de aquisição/desenvolvimento de aprendizagem. Objetiva-se, ainda, discutir a heterogeneidade linguística da língua espanhola em diálogo com o ensino de pronúncia, a partir dos dados qualitativos de 30 estudantes do PROLEM/UFF (corpus 2). Como resultados, tem-se que o grupo de nível avançado apresenta mais realizações fonéticas do que os grupos de nível básico e intermediário e que os dados orais dos níveis iniciais são variados, com a presença diferencial da sibilante interdental surda [θ] e, nos níveis finais, uma progressão na realização da sibilante ápico-alveolar surda [s] e alguns segmentos sibilantes em coda silábica, como as fricativas glotal [h, ɦ] e a palatal [ʃ, ʒ], fones responsáveis pelos fenômenos denominados aspiração e palatalização. Por outro lado, esses últimos segmentos não foram encontrados nos níveis iniciais, com a exceção das palatais em coda. Nesta perspectiva, pode-se verificar que este trabalho construiu diretrizes que poderão auxiliar o ensino-aprendizagem de categorias fonético-fonológicas de espanhol/L2, evitando que esse processo se estabeleça em estágios superficiais de purismo linguístico sem conhecer a diversidade, pluralidade e heterogeneidade linguística; e, ainda, detectou em que medida a produção das sibilantes pode carregar práticas político-ideológicas em relação à linguagem e como se configura o processo de escolha de uma pronúncia, a eleição de uma variedade linguística em oposição a outras e, ainda, o porquê desse fato glotopolítico ser tão profícuo no contexto de ensino-aprendizagem formal