Espaços urbanos saudáveis do Brasil e seus determinantes

O Projeto Município Saudável objetiva agregar esforços multidirecionais em prol de melhorias na qualidade de vida nas areas urbanas com enfoque na saúde pública. Entende-se por saúde um estado de completo bem estar físico, mental e social e não meramente a ausência de doença e enfermidade. Neste con...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2013
Main Author: Gomes, Bruno Silva de Moraes lattes
Orientador/a: Bastos, Suzana Quinet de Andrade lattes
Co-advisor: Feres, Flávia Lúcia Chein lattes
Banca: Perobelli, Fernando Salgueiro lattes, Simões, Rodrigo Ferreira lattes
Format: Dissertação
Language:por
Published: Universidade Federal de Juiz de Fora
Programa: Programa de Pós-graduação em Economia
Department: Faculdade de Economia
Assuntos em Portugês:
Áreas de Conhecimento:
Online Access:https://repositorio.ufjf.br/jspui/handle/ufjf/896
Resumo Português:O Projeto Município Saudável objetiva agregar esforços multidirecionais em prol de melhorias na qualidade de vida nas areas urbanas com enfoque na saúde pública. Entende-se por saúde um estado de completo bem estar físico, mental e social e não meramente a ausência de doença e enfermidade. Neste contexto, o trabalho vem suprir a lacuna sobre trabalhos com aplicação quantitativa acerca do tema Espaço Urbano Saudável. O trabalho objetiva primeiramente identificar e mapear os espaços urbanos saudáveis no Brasil, verificando a existência de clusters espaciais no indicador de saúde urbana e nos Determinantes Sociais da Saúde (DSS) e as mudanças nestes ao longo do tempo. Além disso, identificar quais os determinantes sociais da saúde são capazes de influenciar o indicador de saúde urbana. Para a consecução desses objetivos utiliza-se a análise da base de dados por quartis, com comparações e teste t de médias além da Analise Exploratória de Dados Espaciais (AEDE). Considera-se saudável o espaço urbano que possuir o indicador de saúde urbana no primeiro quarto da distribuição em dois anos consecutivos, sendo obrigatoriamente um deles 2010 (possíveis espaços urbanos saudáveis), além disso, tem que possuir no mínimo quatro dos DSS em melhores condições que a média dos possíveis espaços urbanos saudáveis. Como resultados destacam-se: i) a crescente aleatoriedade dos espaços urbanos saudáveis, face as políticas públicas no Brasil serem cada vez mais de cunho local; ii) dos 1224 espaços urbanos analisados 149 podem ser classificados como possivelmente saudáveis; desses, 55 são considerados saudáveis; iii) os espaços urbanos saudáveis estão concentrados nas Regiões Sul e Sudeste; iv) os Estados do Acre, Roraima, Rondônia, Tocantins e Mato Grosso não possuem nenhum candidato a espaço urbano saudável; v) as políticas que visam melhorar a qualidade de vida nos espaços urbanos devem ser integradas, bem como principalmente direcionadas para os espaços urbanos das Regiões Norte, Nordeste e Centro Oeste a fim de corrigir as disparidades locais.
The Healthy City Project aims multidirectional joint efforts towards improving the quality of life in urban areas with a focus on public health. This dissertation considers health as a state of complete well-being, physical, mental and social, and not merely the absence of disease and infirmity. The present study contributes to the literature at least in three directions. First, Brazilian database provide an opportunity to exploit spatial heterogeneity, identifying spatial clusters in urban health indicator and Social Determinants of Health (SDH). Secondly, it is also possible to analyze changes in urban health conditions over time. Finally, the exercise proposed here also points out which of the social determinants of health are able to influence the urban health indicator. It is worth mentioned that the empirical approach adopted in this study is based on a Spatial Data Analysis (ESDA) jointed with quantile comparisons. In this sense, to be considered as a healthy urban space, a spatial unit must possess the indicator of urban health in the first quartile in two consecutive years, one of them being compulsorily 2010 (possible healthy urban spaces), moreover, must have at least four of the DSS in better condition than possible average healthy urban spaces. The results are: i) the increasing randomness of healthy urban spaces, face public policies in Brazil are increasingly imprint location, ii) of the 1224 analyzed 149 urban spaces can be classified as possibly healthy; these, 55 are considered healthy iii) healthy urban spaces are concentrated in the South and Southeast, iv) the states of Acre, Roraima, Rondônia, Tocantins and Mato Grosso have no candidate to healthy urban space, v) policies to improve the quality of living in urban areas must be integrated and targeted mainly for the urban spaces of the North, Northeast and Midwest to correct local disparities.