Comunicação, campanhas e bioidentidades: discursos sobre o HIV entre governos, OSCs e soropositivos

Esta dissertação visa contribuir para a compreensão das resistências às campanhas de mobilização social à Aids (Síndrome da Imunodeficiência Humana). Argumentamos que as pessoas, tratadas pelos elaboradores das campanhas como meros "público alvo" e "receptores" de mensagens espec...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2014
Main Author: Costa, Stéphanie Lyanie de Melo e lattes
Orientador/a: Santana, Wedencley Alves lattes
Banca: Cardoso, Janine Miranda lattes, Musse, Christina Ferraz lattes
Format: Dissertação
Language:por
Published: Universidade Federal de Juiz de Fora
Programa: Programa de Pós-graduação em Comunicação
Department: Faculdade de Comunicação Social
Assuntos em Português:
Áreas de Conhecimento:
Online Access:https://repositorio.ufjf.br/jspui/handle/ufjf/548
Resumo Português:Esta dissertação visa contribuir para a compreensão das resistências às campanhas de mobilização social à Aids (Síndrome da Imunodeficiência Humana). Argumentamos que as pessoas, tratadas pelos elaboradores das campanhas como meros "público alvo" e "receptores" de mensagens especializadas, na verdade, produzem seus próprios discursos cotidianos sobre o corpo, a doença e a saúde, às vezes silenciados na esfera privada e nem sempre parafrásticos ao que "pode" ou "deve ser feito" para evitarem a (re)contaminação pelo HIV. Isso ocorre porque as instituições (governamentais ou civis) geralmente não reconhecem no discurso cotidiano qualquer saber que possa vir a contribuir para as campanhas. Partindo principalmente dos conceitos críticos de biopoder e biopolítica, conforme concebidos por Michel Foucault, e dos dispositivos analíticos da teoria dos discursos (escola francobrasileira – Michel Pêcheux e Eni Orlandi), propõe-se descobrir como os discursos e saberes institucionalizados das campanhas de mobilização à Aids elaboradas entre 2009 e 2013 pelo Ministério da Saúde, pela Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (MG) e pelo Grupo Vhiver (uma organização da sociedade civil de MG voltada para a Aids) dialogam - ressoam, ressignificam ou denegam - com os discursos de soropositivos (coletados através de entrevistas individuais).
This thesis aims to contribute to the understanding of resistances to social mobilization campaigns against Aids (Human Immunodeficiency Syndrome). We argue that people, treated by the campaigns’ developers as mere "audience" and "receivers" of specialized messages, actually produce their own everyday discourses on the body, diseases and health, which sometimes are silenced in the private sphere and not always coincide with what "could" or "should be done" to prevent the (re)infection with HIV. This is because the government or civilian institutions generally do not recognize any knowledge in the everyday discourses that might contribute to campaigns. Especially under the critical concepts of biopower and biopolitics, as conceived by Michel Foucault, and the French-Brazilian strand of the Discourse Analysis (Michel Pêcheux and Eni Orlandi), we aim to discover how the institutionalized discourses and knowledge of the mobilization campaigns against Aids, developed between 2009 and 2013 by the Ministry of Health, the Department of Health of Minas Gerais (MG) and the Grupo Vhiver (a civil society organization on Aids from MG) dialogue - resonate, resignify or deny - with the discourses of seropositive people (collected through individual interviews).