Crianças e adolescentes abrigados: vínculos e rupturas na história de convivência familiar e comunitária

O objeto deste estudo é a convivência familiar e comunitária de crianças e adolescentes abrigados. As seguintes indagações orientaram o trabalho de pesquisa e foram formuladas a partir da minha prática como Assistente Social do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais: Qual o perfil das criança...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2007
Main Author: Silva, Maria Izabel Rocha Simão e lattes
Orientador/a: Menegat, Elizete Maria lattes
Banca: Paiva, Rosana Morgado de lattes, Santos, Cláudia Mônica dos lattes
Format: Dissertação
Language:por
Published: Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)
Programa: Programa de Pós-graduação em Serviço Social
Department: Faculdade de Serviço Social
Assuntos em Portugês:
Áreas de Conhecimento:
Online Access:https://repositorio.ufjf.br/jspui/handle/ufjf/2877
Resumo Português:O objeto deste estudo é a convivência familiar e comunitária de crianças e adolescentes abrigados. As seguintes indagações orientaram o trabalho de pesquisa e foram formuladas a partir da minha prática como Assistente Social do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais: Qual o perfil das crianças e adolescentes abrigados? Qual é a natureza do vínculo familiar e comunitário existente antes do abrigamento? Em que momento acontece a ruptura dos vínculos familiares? A pobreza é fator determinante para o afastamento de crianças e adolescentes de suas famílias? Qual o papel das políticas sociais? O presente trabalho estrutura-se em três capítulos. No Capítulo I realizo um estudo sobre Família, Pobreza e Políticas Sociais. No Capítulo II reconstituo, brevemente, a história do Código de Menores, do Estatuto da Criança e do Adolescente e do direito à convivência familiar e comunitária. No Capítulo III busco inscrever, na realidade nacional, a condição das crianças e adolescentes abrigados em Barbacena, um município mineiro de pequeno porte. A partir de dados coletados em entrevista realizada com familiares de crianças e adolescentes abrigados há mais de um ano, analiso aspectos da sua história e da sua trajetória anterior de rupturas com os vínculos familiares e comunitários. Nas considerações finais, mais do que certezas, aponto dúvidas e questões para reflexões futuras, pois este tema revelou-se instigante a partir do novo olhar que lancei sobre a questão estudada.
The subject of this study is how children and teenagers in residential care coexist with the family and the community. The following questions, which guide this research, were raised based on my work experience as a Social Worker at the State of Minas Gerais Supreme Court: What is the profile of children and teenagers in residential care? What is the nature of the existent links with family and community before going into residential care? At what moment do the familiar links break? Is poverty a key factor in removing children and teenagers from their families? What is the role of social policies? This study is divided into three chapters. In Chapter I, I conduct a study on family, poverty and social policies. In Chapter II, I briefly reconstruct the historical of the Underage Code, the Child and Teenage Statute and the right to coexist in family and community. In Chapter III, I aim to relate the national reality with the situation of children and teenagers in residential care in Barbacena, a town in the State of Minas Gerais. Using data collected in interviews with relatives of children and teenagers that have been in residential care for over one year, I analyze their history and the past rupture of their connections with the family and the community. In the conclusion, more than certainties, I point out doubts and questions for future reflection, since this subject has shown to be stimulating from the approach I took in this study.