A tendência à “presidencialização” no parlamentarismo britânico: a cobertura do The Times e do The Guardian nas eleições gerais do Reino Unido em 2015 e o processo de personalização da política

A presente dissertação objetiva buscar e analisar evidências de personalização da política, ou seja, a valorização de características pessoais em detrimento de ideias ou ideologias partidárias, no contexto do parlamentarismo britânico. Apesar de não ser um conceito novo, a personalização se amplia n...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2016
Main Author: Peths, Lucas Lisboa lattes
Orientador/a: Leal , Paulo Roberto Figueira lattes
Banca: Oliveira, Luiz Ademir de lattes, Moraes, Gláucia da Silva Mendes lattes
Format: Dissertação
Language:por
Published: Universidade Federal de Juiz de Fora
Programa: Programa de Pós-graduação em Comunicação
Department: Faculdade de Comunicação Social
Assuntos em Portugês:
Áreas de Conhecimento:
Online Access:https://repositorio.ufjf.br/jspui/handle/ufjf/1277
Resumo Português:A presente dissertação objetiva buscar e analisar evidências de personalização da política, ou seja, a valorização de características pessoais em detrimento de ideias ou ideologias partidárias, no contexto do parlamentarismo britânico. Apesar de não ser um conceito novo, a personalização se amplia na atualidade, em uma sociedade altamente mediada pelos meios de comunicação. O que vertebra o trabalho é a hipótese de que o parlamentarismo tende a uma “presidencialização”, assumindo, como já comprovado neste sistema de governo, características cada vez mais personalistas, contrariando sua essência de foco nas estruturas e na ordem partidárias. Neste contexto, é seguro dizer que fatores comunicacionais interferem e podem ser determinantes na condução de um processo eleitoral – mesmo no parlamentarismo – com os veículos de comunicação direcionando sua cobertura a elementos personalizados. Assim, os media se comportariam ora como palcos, ora como atores políticos, favorecendo a tendência de americanização das campanhas ao redor do mundo, com a desideologização das disputas e a declínio da identificação partidária como consequências comuns, elementos da chamada “nova ambiência eleitoral”. A metodologia utilizada foi a análise de conteúdo categorial, que englobou 66 publicações dos periódicos britânicos The Times e The Guardian durante a semana anterior às Eleições Gerais ao Parlamento britânico em 2015. As matérias foram classificadas em quatro categorias: ênfase em pessoas, com a personalização sendo evidenciada no lugar de outros conteúdos; ênfase nos partidos, destacando os textos que priorizaram tratar de temáticas partidárias e ideológicas; ênfase em políticas públicas, ressaltando notícias que abordaram tópicos de interesse geral da população, como saúde ou educação; por fim, foram agrupadas as matérias que tiveram ênfase na própria disputa eleitoral, com a publicação de resultados de pesquisas eleitorais ou possibilidades. Conjuntamente adotou-se a metodologia desenvolvida pelo Laboratório de Pesquisa em Comunicação Política e Opinião Pública (Doxa) do atual IESP-UERJ. O modelo leva em consideração a valência, ou seja, a orientação positiva, negativa ou neutra das coberturas jornalísticas, o que permitiu identificar o posicionamento de cada um dos jornais em cada categoria.
This dissertation intends to seek and analyze evidences of personalization of politics, that is, the enhancement of personal characteristics rather than ideas or party ideologies, in the context of the British parliamentary system. Despite of not being a new concept, personalization is extended today in a highly mediated society by the media. What guides the work is the hypothesis that the parliamentary system tends to a "presidentialization", assuming, as already checked in this system of government, increasingly personalistic characteristics, contradicting its core focus on the structures and the party order. In this context, it is safe to say that communication factors interfere and can be decisive in the conduct of an electoral process – even in parliamentarism – with the media coverage targeting personalized elements. Thus, the media would behave sometimes as stages, sometimes as political actors, encouraging the americanization trend in campaigns around the world, with the lack of ideologization of disputes and the decline of party identification as common consequences, elements of the called "new electoral ambience". The methodology applied was the categorical content analysis, which included 66 publications of the British newspapers The Times and The Guardian during the preceding week to the general elections to the British Parliament in 2015. The publications were classified into four categories: emphasis on people, with customization being shown instead of other content; emphasis on the political parties, highlighting the texts that prioritized dealing with partisan and ideological issues; emphasis on public policies, highlighting news that address topics of general interest of the population, such as health or education; finally, the subjects who had an emphasis on the electoral dispute itself, with the publication of results of opinion polls or possibilities, were grouped. At the same time it was adopted the methodology developed by Research Laboratory of Political Communication and Public Opinion (Doxa) of the current IESP-UERJ. The model takes into account the valency, that is, positive, negative or neutral orientation of news coverage, which allowed us to identify the position of each of the newspapers in each category.