A devastação materna e suas repercussões nas parcerias amorosas

A sexualidade feminina se apresenta como enigmática, o que suscita muitas reflexões sobre a feminilidade. A descoberta de que o sexo não é um fenômeno natural, e sim resultado da subjetivação fálica, torna-se um marco extremamente significativo para a sexualidade feminina. Para Freud, a devastação e...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2015
Main Author: Andrea Eulalio de Paula Ferreira
Orientador/a: Marcia Maria Rosa Vieira
Banca: Antonio Marcio Ribeiro Teixeira, Suzana Faleiro Barroso
Format: Dissertação
Language:por
Published: Universidade Federal de Minas Gerais
Assuntos em Português:
Online Access:http://hdl.handle.net/1843/BUOS-AQHQRF
Resumo Português:A sexualidade feminina se apresenta como enigmática, o que suscita muitas reflexões sobre a feminilidade. A descoberta de que o sexo não é um fenômeno natural, e sim resultado da subjetivação fálica, torna-se um marco extremamente significativo para a sexualidade feminina. Para Freud, a devastação estaria relacionada ao destino do falo na menina. Freud observa que certas mulheres permanecem fixadas na ligação original com a mãe, sem nunca alcançarem uma verdadeira mudança na relação com os homens. Lacan avança mais além dessa articulação fálica, ao perceber que o falo não satura o campo do gozo na sexualidade feminina. O que está em jogo é o gozo feminino, não-todo submetido à função fálica. O termo devastação aparece como consequência da inexistência de um significante que defina A mulher e está presente em três momentos da teoria lacaniana: na relação com a mãe, na relação com o desejo da mãe e nas parcerias amorosas. Neste trabalho, o depoimento de um passe e a análise de um romance literário revelam algumas possíveis saídas para a devastação, no caso de qualquer sujeito que se depare com a ausência do significante dA mulher
Feminine sexuality is enigmatic, which raises many reflections on femininity. The discovery that sex is not a natural phenomenon, but the result of phallic subjectivity, is an extremely significant milestone for female sexuality. According to Freud, the devastation would be related to the phallus fate in a girl. Freud notes that some women remain fixed in the original attachment to their mothers, and never achieve a real change in the relationship with men. Lacan goes beyond the phallic articulation, realizing that the phallus does not saturate the jouissance field in feminine sexuality. What is at stake is the feminine jouissance, which is not-all submitted to the phallic function. The term devastation arises as a consequence of the absence of a significant that defines The woman. It appears in three different moments in Lacanian theory: in the relationship with the mother, in the relationship with the desire of the mother and in romantic partnerships. In this work, ananalysis testimony and the analysis of a literary novel reveal some possible solutions to the devastation in the case of any person who encounters the absence of a significant that defines The woman.