O desenvolvimento do turismo em margem de lago artificial: o caso da península de Guapé - Campos Gerais, Lago de Furnas/MG

Este trabalho tem como objetivo propor um plano de ação para o desenvolvimento do turismo de lago artificial, tomando como exemplo a Península Guapé - Campos Gerais, Lago de Furnas/MG, tendo em vista limitações como a falta de planejamento, intervenção no saneamento do lago e articulação regional. P...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2008
Main Author: Marcella Cristiane Amaral Scotti
Orientador/a: Allaoua Saadi
Banca: Ralfo Edmundo da Silva Matos, Marlusa Gosling
Format: Dissertação
Language:por
Published: Universidade Federal de Minas Gerais
Assuntos em Português:
Online Access:http://hdl.handle.net/1843/MPBB-7HHJ8W
Resumo Português:Este trabalho tem como objetivo propor um plano de ação para o desenvolvimento do turismo de lago artificial, tomando como exemplo a Península Guapé - Campos Gerais, Lago de Furnas/MG, tendo em vista limitações como a falta de planejamento, intervenção no saneamento do lago e articulação regional. Para isso, adotou-se uma abordagem adaptada à ·realidade da região considerando a análise das paisagens, a identificação dos conflitos e a percepção da comunidade. Tal abordagem compreende o território como um modo de organização das atividades econômicas sobre um espaço geográfico, cuja dinâmica é resultado da ação dos atores. A importância do tema proposto justifica-se pelo fato de que antes da elaboração de um plano de turismo é imprescindível refletir sobre os desafios que o mesmo deve enfrentar, com vistas a diminuir as chances de não implementação do plano. Em termos de método, quatro fases orientaram a análise: o retrato do lugar, o diagnóstico, a definição de eixos estratégicos e o plano de ação. A análise do território considerou a dimensão ambiental, social, ética e econômica e tornou possível interpretar os sinais que se traduzem em ameaças, oportunidades, forças e fraquezas para o desenvolvimento do turismo na área em estudo. A partir da exposição dos fatores favoráveis e desfavoráveis para o desenvolvimento do turismo na microrregião, a formulação de estratégias e do plano de ação visou contribuir para o direcionamento do planejamento da atividade. Considerando que o turismo fica subordinado às operações do reservatório para geração de energia, a atividade terá que se adaptar e poderá vir a beneficiar a região, por meio do potencial para o turismo rural, de pesca e de natureza, coexistindo com outras atividades econômicas.