A dimensão do político na psicologia social no Brasil (1986-2011): uma análise da produção científica a partir da teoria democrática radical e plural

O objetivo da tese é analisar o conceito do político em um recorte da produção da psicologia social brasileira, publicada em periódicos científicos, desde a crise da psicologia social, mais especificamente, entre os anos de 1986 e 2011. A crise da psicologia social, advinda da crítica à perspectiva...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2014
Main Author: Frederico Alves Costa
Orientador/a: Marco Aurelio Maximo Prado
Banca: Leoncio Francisco Camino Rodriguez Larrain, Salvador Antonio Mireles Sandoval, Francisco Teixeira Portugal, Claudia Andrea Mayorga Borges
Format: Tese
Language:por
Published: Universidade Federal de Minas Gerais
Assuntos em Português:
Online Access:http://hdl.handle.net/1843/BUOS-9R2HM9
Resumo Português:O objetivo da tese é analisar o conceito do político em um recorte da produção da psicologia social brasileira, publicada em periódicos científicos, desde a crise da psicologia social, mais especificamente, entre os anos de 1986 e 2011. A crise da psicologia social, advinda da crítica à perspectiva dominante na psicologia social na época, produziu um importante debate sobre o caráter político da produção do conhecimento, atrelando-a ao enfrentamento de desigualdades presentes no País e, assim, a possibilidades de mudança social. Nesta medida, concebe-se que a crise da psicologia social, juntamente com a retomada da discussão sobre o conceito do político em outros campos do conhecimento das ciências humanas colocam em evidência a importância de se perguntar sobre o modo como o conceito do político tem sido debatido na produção da psicologia social brasileira. Ao se conceber o antagonismo como elemento definidor do político, afirma-se a localização deste debate em torno de uma perspectiva que entende o político no terreno da divisão, da distinção entre amigo-inimigo, considerando a hostilidade e a violência como inerentes à sociabilidade humana. Nesta perspectiva também se critica a compreensão da politização das relações sociais a partir de uma mediação racional, bem como se concebe a ausência de qualquer fundamento último da realidade como condição essencial ao político na modernidade, sendo a unidade política contingente e decorrente de uma construção hegemônica. A democracia é entendida como um por vir, sendo impossível o alcance de uma sociedade reconciliada ou ainda uma junção entre ética e política. A partir do objetivo da tese e desta concepção do político, a análise centra-se na discussão sobre as formas de politização das relações sociais (emergência do sujeito político) e suas implicações para a democracia (utopia de sociedade), tendo como referência teórica a Teoria Democrática Radical e Plural desenvolvida por Ernesto Laclau e Chantal Mouffe. A produção da psicologia social foi categorizada em torno de quatro vertentes analíticas, a saber: fundamento último da realidade, sujeito racional, sujeito éticopolítico, antagonismo. Ao final da tese apresenta-se uma proposta para a pesquisa e intervenção em psicologia social, de modo a contribuir para que a psicologia social continue em crise, no sentido de manter presente a crítica ao que já foi produzido e de construir uma psicologia social que não negue o político.
The aim of this dissertation is to analyze the concept of political in a sample of the Brazilian social psychology production published in scientific journals from the 1986 to 2011. The crisis of social psychology, criticizing the dominant perspective in social psychology at the time, produced an important debate on the political character of knowledge production, linking it to the struggle against the social problems and the possibility of social change in Brazil. To that extent, it conceives that the crisis of social psychology, along with the awakening of the discussion about the concept of political in other fields of the human sciences, give relevance to questioning the way the concept of political has been discussed in the Brazilian social psychology production. Conceiving antagonism as the defining element of political, this dissertation focuses the debate in a perspective that understands political in the field of division, of distinction between friendenemy, considering hostility and violence as inherent to human sociability. In that perspective, this research also criticizes the comprehension of social relations politicization as a rational mediation, and we conceive the absence of any last foundation of reality as an relevant condition to the political in modern times, defining political unity as contingency that results from a hegemonic construction. Democracy is understood as something to come, been impossible to reach a reconciled society or even the junction between ethics and politics. From the goal of this dissertation and this conception of political our analysis focuses on the different forms of social relations politicization (the emerging of a political subject) and its consequences to democracy (societys utopia), having as a theoretical reference the Plural and Radical Democratic Theory developed by Ernesto Laclau and Chantal Mouffe. Social psychology production was categorized into the following analytical strands: last foundation of reality, rational subject, ethical-political subject, antagonism. By the end of this dissertation we present a research and intervention proposal in social psychology, as to contribute to the continuing crisis of the field, keeping present a critical review of what has been produced and building a social psychology that does not deny the political.