A reinvenção da escola : história, memórias e práticas educativas no período colonizatório de Sinop – MT (1973-1979)

A presente pesquisa tem como objeto de estudo a cultura escolar produzida pela Escola Estadual Nilza de Oliveira Pipino, localizada na cidade de Sinop, estado de Mato Grosso, lócus desta investigação, eleita como objeto de estudo por ser a primeira escola instituída nesta localidade durante o proces...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2012
Main Author: Rohden, Josiane Brolo lattes
Orientador/a: Sá, Elizabeth Figueiredo de lattes
Banca: Sá, Elizabeth Figueiredo de lattes, Ferreira, Márcia dos Santos lattes, Silva, Vera Lucia Gaspar da lattes, Siqueira, Elizabeth Madureira lattes
Format: Dissertação
Language:por
Published: Universidade Federal de Mato Grosso
Programa: Programa de Pós-Graduação em Educação
Department: Instituto de Educação (IE)
Áreas de Conhecimento:
Online Access:http://ri.ufmt.br/handle/1/894
Citação:ROHDEN, Josiane Brolo. A reinvenção da escola: história, memórias e práticas educativas no período colonizatório de Sinop – MT (1973-1979). 2012. 197 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Federal de Mato Grosso, Instituto de Educação, Cuiabá, 2012.
Resumo Português:A presente pesquisa tem como objeto de estudo a cultura escolar produzida pela Escola Estadual Nilza de Oliveira Pipino, localizada na cidade de Sinop, estado de Mato Grosso, lócus desta investigação, eleita como objeto de estudo por ser a primeira escola instituída nesta localidade durante o processo de colonização da cidade. Representa o início da implantação de um sistema educacional em um descampado da Floresta Amazônica e que, portanto, mais que cumprir suas funções educacionais, essa escola e a educação de forma geral representavam, naquele contexto histórico, instrumento fundamental para a construção de uma cidade vocacionada para a fixação dos migrantes. Toma-se, como ponto de referência nessa investigação, os anos de 1973 a 1979. A escolha e a delimitação do recorte cronológico deve-se ao fato de que a educação, assim como a cidade de Sinop foram instituídas no ano de 1973 e, ao final da mesma década, em 1979, ocorreria a emancipação política da cidade, havendo com isso mudanças significativas no cenário político-social da cidade. No movimento de colonização, milhares de pessoas deixaram sua terra natal, principalmente oriundas da região sul do país, para ocupar o espaço em estudo. Dessa forma, fazer um inventário das práticas escolares, dos valores, da conduta e normas a ser seguidas, dos conteúdos a serem ensinados constitui um campo de trabalho interessante, pois permite, além de compreender o cotidiano do espaço escolar em estudo, também discutir as tradições, os costumes trazidos pelos migrantes e que seriam mantidos e repassados pela escola, além de possibilitar uma discussão re-significando a história da primeira instituição. Dentre os objetivos da pesquisa, destaca-se a necessidade de contribuir para compreender como foi organizado o sistema educacional do primeiro estabelecimento escolar durante o período delimitado e o que ali deveria ser ensinado, discutindo seus valores e normas, necessários para garantir o processo de escolarização, inferindo sobre os costumes, práticas, tradições culturais mantidas e repassadas pela escola, sobretudo, pretende-se destacar as artes de fazer a partir principalmente das concepções de Michel de Certeau, desde a iniciativa da ‘construção’ da escola pelos próprios migrantes, como também no que se refere à dinâmica criadora, inventiva e astuciosa daqueles que participaram do seu cotidiano escolar. Para a construção do objeto e desenvolvimento da pesquisa, apropriamos de documentos escolares, cadernos de alunos e professores, diários de classe e fotografias, adquiridos não apenas no espaço escolar, mas também em acervos particulares e públicos. Ainda na perspectiva da História Oral, entrevistas foram realizadas com ex-professores e alunos a fim de ‘ouvir’ as vozes daqueles que não tiveram sua história registrada. A pesquisa sugere discutir o quanto a escola se configura enquanto lugar de produção de uma cultura específica, em que frequentemente são criadas estratégias modeladoras e táticas de subversão, além do quanto as relações de poder se revelam no interior das instituições escolares, enquanto espaço em que se determinam as relações sociais, ao mesmo tempo em que se constitui como difusora de saberes e conhecimento.
This research has as object of study the school culture produced by the Nilza de Oliveira Pipino State School, located in Sinop, Mato Grosso, locus of this research, elected as an object of study for being the first school established at this location during the colonization process of the city. It represents the beginning of an educational system in an Amazon rainforest wilderness and therefore more than fulfill their educational functions, this school and education generally represented in that historical context, a fundamental instrument for the construction of a city dedicated to the establishment of migrants. Take as a point of reference in this investigation, the years from 1973 to 1979. The choice and delimitation of chronological cut-off is due to the fact that education, as well as the city of Sinop were instituted in the year 1973 and, at the end of the same decade, in 1979, would the political emancipation of the city and with it significant changes in the socio-political scene of the city. In the colonization movement, thousands of people left their homeland, mainly from the southern region of the country, to occupy the space under study. In this way, do an inventory of school practices, values, and standards of conduct to be followed, the content to be taught is an interesting work because it allows, in addition to understand the daily life of school space, also discuss the traditions, the customs brought by migrants and that would be maintained and passed on by the school, besides enabling a discussion re-meaning the story of the first institution. One of the goals of the research, emphasizes the need to understand how it was organized the first school's education system during the period enclosed and that there should be taught, discussing their values and standards needed to ensure the process of schooling, inferring on the customs, practices, cultural traditions maintained and passed on by the school, in particular, it is intended to highlight the arts of making mainly from Michel de Certeau conceptions, since the initiative of the ' construction ' of the school by the migrants, but also as regards the creative, inventive and astute dynamic, of those who participated in their daily lives in the school. For the construction and development of research, it was appropriated school documents, schedules of students and teachers, class diaries and photographs which were acquired not only in school, but also in private and public collections. Still in the context of Oral History interviews were conducted with former professors and students to ' hear ' the voices of those who have not had their recorded history. This research suggests discussing how the school is configured as a place of production of a particular culture, in that they are often created shaping strategies and tactics of subversion, and how power relations are revealed within the educational institutions, as an area in which determine social relationships, while at the same time constitutes as broadcast knowledge.