A cartografia e o geoprocessamento como instrumento de análise das propostas de redefinição dos limites territoriais da Floresta Nacional do Jamanxim - Estado do Pará

Neste trabalho, categoriza-se o território a partir do ponto de vista relacional do poder e uso do espaço, fazendo referência ao manejo de uso múltiplo sustentável dos recursos naturais da Unidade de Conservação Floresta Nacional (FLONA) do Jamanxim. Criada por decreto presidencial de fevereiro de 2...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2010
Main Author: PINHEIRO, Paula Fernanda Viegas lattes
Orientador/a: ROCHA, Gilberto de Miranda lattes
Format: Dissertação
Language:por
Published: Universidade Federal do Pará
Programa: Programa de Pós-Graduação em Geografia
Department: Instituto de Filosofia e Ciências Humanas
Assuntos em Português:
Áreas de Conhecimento:
Online Access:http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/4995
Citação:PINHEIRO, Paula Fernanda Viegas. A relação executivo-legislativo no projeto de criação da Superintendência de análise das propostas de redefinição dos limites territoriais da Floresta Nacional do Jamanxim - Estado do Pará. 2010. 81 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Pará, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Belém, 2010. Programa de Pós-Graduação em Geografia.
Resumo Português:Neste trabalho, categoriza-se o território a partir do ponto de vista relacional do poder e uso do espaço, fazendo referência ao manejo de uso múltiplo sustentável dos recursos naturais da Unidade de Conservação Floresta Nacional (FLONA) do Jamanxim. Criada por decreto presidencial de fevereiro de 2006 possui uma área de 1,3 milhão de hectares, no município de Novo Progresso, próxima à BR-163, ultimamente têm sido palco de batalha no qual está sendo pleiteada a sua (re) configuração territorial. De um lado alguns Atores Sociais com o apóio de políticos da região, objetiva permanecer ocupando 46% do total da área, propondo contornos territoriais através da formação de um mosaico de unidades de conservação na área que hoje é a FLONA. Do outro lado o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade – ICMBIO que defende a permanência de toda área como Floresta Nacional, excluindo, no entanto, três das 13 regiões estudadas e avaliadas por Analistas deste instituto no ano de 2009. Este estudo objetiva analisar as proposta de redefinição territorial da FLONA, especificamente a viabilidade de implementação da mesma em cada uma das propostas, para tanto o trabalho utiliza-se da ferramenta do sensoriamento remoto, a fim de realizar mapeamento multitemporal da dinâmica de uso e ocupação do solo na Floresta Nacional de Jamanxim, com intuito de investigar a dinâmica de ocupação utilizada na área, evidenciando a convenção da Floresta em Antropismo nos anos de 1984, 1990, 2000 e 2009. O resultado indica que a FLONA do Jamanxim tem seu histórico de ocupação similarcom o restante da Região Amazônica, incentivados por programas de Colonização ofertados pelo Governo Federal, a população que reside em seu interior remonta as décadas de 70 e 80, as quais começam a usar a terra de forma a desmatar para implantar pecuária, garimpo, madeireiras e etc. A forma de ocupação territorial da área que hoje é a Floresta Nacional do Jamanxim indica que a batalha por redefinição territorial ou outras categorias de Unidade de Conservação menos restritivas será longínqua, enquanto existirem entraves por parte do órgão gestor (ICMBIO) em executar a plena gestão da FLONA do Jamanxim.
In this work, categorizes the territory from the relational point of view of power and space usage, referring to the management of multiple use of natural resources Conservation Unit National Forest Jamanxim.Created by presidential decree of February 2006 has an area of 1.3 million hectares in the municipality of Novo Progresso, near the BR-163, have recently been the scene of battle in which it is being claimed their (re) territorial configuration.On one hand some local staff with the support of politicians from the region, aims to stay occupying 46% of the total area, land contours by forming a mosaic of conservation units in the area that today is the National Forest.Across the Chico Mendes Institute for Biodiversity Conservation - ICMBio defending the permanence of the whole area as a National Forest, excluding, however, three of the 13 regions studied and evaluated by analysts of the institute in 2009.This study aims to analyze the proposed redefinition of territorial NF, specifically the feasibility of implementing the same in each of the proposals for both the work utilizes the tool of remote sensing in order to perform multitemporal mapping of the dynamics of use and occupancy Soil in National Forest Jamanxim, aiming to investigate the dynamics of occupation used in the area, showing the convention anthropism Forest in the years 1984, 1990, 2000 and 2009.The result shows that FLONA the Jamanxim has its history of occupation similar to the rest of the Amazon region, encouraged by colonization programs offered by the Federal Government, the population that resides inside back the 70 and 80, which begin to use the land in order to deploy to deforest livestock, mining, logging and so on.The form of territorial occupation of the area that today is the National Forest Jamanxim indicates that the battle for territorial redefinition or other categories of conservation areas will be less restrictive distant, while there are barriers on the part of the managing agency (ICMBio) to perform the full management FLONAthe Jamanxim.