Fragmentos urbanos. Entre o opaco e luminoso nas intervenções no bairro do Recife

O Bairro do Recife é o objeto empírico desta pesquisa, o qual será estudado com ênfase na ideia da fragmentação do seu espaço urbano, processo que teve início ainda nas primeiras décadas do século XX, antes mesmo dos planos que visaram sua proteção enquanto patrimônio. Tem-se como objetivo analisar...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2016
Main Author: Dâmaso, Mariane Lourenço Dâmaso lattes
Orientador/a: Moura Filha, Berthilde de B. L. e lattes
Format: Dissertação
Language:por
Published: Universidade Federal da Paraíba
Programa: Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo
Department: Arquitetura e Urbanismo
Assuntos em Português:
Áreas de Conhecimento:
Online Access:https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/123456789/11661
Resumo Português:O Bairro do Recife é o objeto empírico desta pesquisa, o qual será estudado com ênfase na ideia da fragmentação do seu espaço urbano, processo que teve início ainda nas primeiras décadas do século XX, antes mesmo dos planos que visaram sua proteção enquanto patrimônio. Tem-se como objetivo analisar as implicações da fragmentação socioespacial na conservação do conjunto histórico do bairro e, para tanto, foram selecionados planos e projetos ali implementados em (1989 e 1993) considerados relevantes para a sua atual conformação espacial. O marco temporal de análise inicia-se quando o valor patrimonial vira o eixo norteador das intervenções no bairro, na década de 1983, com o primeiro Plano objetivando a conservação da área, até os dias atuais (2016), com as intervenções mais recentes, nos armazéns da frente marítima. No entanto, utiliza-se de um resgate histórico, ainda da década de 1910, - que demoliu uma parcela do bairro para abertura de novas avenidas resultando em duas grandes zonas: a modernizada e a não- modernizada -, para demonstrar a complexidade de se intervir em uma área histórica, que passou por transformações precedentes às quais modificaram substancialmente a morfologia e a funcionalidade do bairro. Trabalhamos com a hipótese de que os planos e projetos de conservação para o Bairro do Recife fomentam a fragmentação socioespacial devido, principalmente, ao instrumento de gestão utilizado para ‘revitalizar’ a área: Os ‘‘pólos’’ de atividades, considerados capazes de catalisar o seu crescimento econômico. A questão recai na contínua utilização do instrumento de delimitação de pólos de intervenção na área histórica, em geral destinados ao uso turístico e de lazer, pois se aponta que tal estratégia vem acentuando ainda mais o contraste entre as áreas foco de interesse e o seu entorno degradado. Argumenta-se que essas ações, que tendem a uma fragmentação contínua, não necessariamente acompanham o patrimônio oficialmente reconhecido, priorizando parcelas específicas em detrimento de áreas e de riquíssimos exemplares arquitetônicos que também fazem parte da história do Bairro do Recife, mas que não estão sendo favorecidas pelas práticas de conservação.
O Bairro do Recife é o objeto empírico desta pesquisa, o qual será estudado com ênfase na ideia da fragmentação do seu espaço urbano, processo que teve início ainda nas primeiras décadas do século XX, antes mesmo dos planos que visaram sua proteção enquanto patrimônio. Tem-se como objetivo analisar as implicações da fragmentação socioespacial na conservação do conjunto histórico do bairro e, para tanto, foram selecionados planos e projetos ali implementados em (1989 e 1993) considerados relevantes para a sua atual conformação espacial. O marco temporal de análise inicia-se quando o valor patrimonial vira o eixo norteador das intervenções no bairro, na década de 1983, com o primeiro Plano objetivando a conservação da área, até os dias atuais (2016), com as intervenções mais recentes, nos armazéns da frente marítima. No entanto, utiliza-se de um resgate histórico, ainda da década de 1910, - que demoliu uma parcela do bairro para abertura de novas avenidas resultando em duas grandes zonas: a modernizada e a não- modernizada -, para demonstrar a complexidade de se intervir em uma área histórica, que passou por transformações precedentes às quais modificaram substancialmente a morfologia e a funcionalidade do bairro. Trabalhamos com a hipótese de que os planos e projetos de conservação para o Bairro do Recife fomentam a fragmentação socioespacial devido, principalmente, ao instrumento de gestão utilizado para ‘revitalizar’ a área: Os ‘‘pólos’’ de atividades, considerados capazes de catalisar o seu crescimento econômico. A questão recai na contínua utilização do instrumento de delimitação de pólos de intervenção na área histórica, em geral destinados ao uso turístico e de lazer, pois se aponta que tal estratégia vem acentuando ainda mais o contraste entre as áreas foco de interesse e o seu entorno degradado. Argumenta-se que essas ações, que tendem a uma fragmentação contínua, não necessariamente acompanham o patrimônio oficialmente reconhecido, priorizando parcelas específicas em detrimento de áreas e de riquíssimos exemplares arquitetônicos que também fazem parte da história do Bairro do Recife, mas que não estão sendo favorecidas pelas práticas de conservação. Palavras-chave: Patrimônio; conservação; fragmentação; Bairro do Recife. ABSTRACT The empirical object of this research is the 'Bairro do Recife', which will be studied with emphasis on the idea of fragmentation of its urban space, a process initiated in the first decades of the twentieth century, even before the plans aiming its protection as heritage were applied. The objective is to analyze the consequences of socio- spatial fragmentation in the conservation of the neighborhood's historic site. Therefore, it was made a selection of plans and projects implemented in the area, which can be considered relevant to its current spatial conformation. The study begins making a rescue, still of the 1910s, with the urban reforms which demolished a portion of the neighborhood for the purpose of opening new avenues, resulting in two major areas: the modernized and non-modernized. The others intervention projects analyzed had as proposal the conservation of the neighborhood after its recognition as heritage, covering the time frame between the 1990s and the current days. It is discussed the hypothesis of which the conservation plans and projects for the 'Bairro do Recife' promote socio-spatial fragmentation mainly because of the management tool used to 'revitalize' the area: the creation of activity 'poles', considered as capable of catalyzing their economic growth of the neighborhood. The continuous use of the instrument of intervention 'poles' delimitation in the historic sites (which are generally intended only for touristic and leisure use) is questionable because it accentuates the contrast between the areas of interest and its degraded surroundings. It is argued that these actions, which tend to a continuous fragmentation, do not necessarily follow the officially recognized heritage, once they prioritize specific places at the expense of areas and architectural examples which are important parts of the 'Bairro do Recife' history, which are important parts of the "Bairro do Recife" history, therefore, deserve care and attention during conservation practices.