“Nem santa, nem puta”: performances de gênero e sexualidade em mulheres praticantes de swing

Dentro do campo de estudos do construcionismo da sexualidade, esta dissertação buscou compreender como operam os marcadores de gênero e sexualidade nas práticas eróticas de mulheres que fazem swing, a troca de parceiros entre casais. Convencionalmente considerada uma prática sexual dissidente, esse...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2013
Main Author: VIEIRA, Sâmella dos Santos
Orientador/a: NASCIMENTO, Luís Felipe Rios do
Format: Dissertação
Language:por
Published: UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO
Programa: Programa de Pos Graduacao em Psicologia
Assuntos em Portugês:
Online Access:https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/15318
Resumo Português:Dentro do campo de estudos do construcionismo da sexualidade, esta dissertação buscou compreender como operam os marcadores de gênero e sexualidade nas práticas eróticas de mulheres que fazem swing, a troca de parceiros entre casais. Convencionalmente considerada uma prática sexual dissidente, esse estudo sobre mulheres buscou refletir acerca dos papéis sexuais assumidos pelas praticantes de swing e, em que medida, as questões de gênero estão implicadas nas suas experiências eróticas. Adotando uma perspectiva etnográfica, balizei o percurso metodológico na observação participante em espaços de sociabilidades swingers (encontros e festas destinadas à prática) e em entrevistas em profundidade com base nas carreiras sexuais de quatro (04) mulheres. A partir de análise fundamentada na Dupla Hermenêutica, foi possível indicar nuances das feminilidades na troca de casais. Por um lado, as convenções sociais que ainda constituem o exercício da sexualidade: ideal de um corpo perfeito, manutenção do casamento, práticas proibidas e permitidas para uma “mulher direita”. Por outro, entretanto, o swing como possiblidade de liberdades sexuais, através do conhecimento do corpo e da vivência dos desejos e prazeres em uma prática transgressora. Entre noções de “santa x puta”, foi possível refletir acerca dos jogos de posicionamento inerentes à transgressão, erotismo e desejo que orientam tais vivências.