“A pobreza como estopim da revolução”: a Aliança para o Progresso em Pernambuco (1959-1964)

O presente trabalho visa analisar o programa norte-americano da Aliança para o Progresso em Pernambuco durante os anos iniciais da década de 1960, enquanto instrumento de intervenção política. O processo de penetração estrangeira no estado já vinha se consolidando desde o início da década. O interes...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2017
Main Author: BARROS, Arthur Victor Goncalves Gomes de
Orientador/a: DABAT, Christine Paulette Yves Rufino
Format: Dissertação
Language:por
Published: Universidade Federal de Pernambuco
Programa: Programa de Pos Graduacao em Historia
Assuntos em Português:
Online Access:https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/28092
Resumo Português:O presente trabalho visa analisar o programa norte-americano da Aliança para o Progresso em Pernambuco durante os anos iniciais da década de 1960, enquanto instrumento de intervenção política. O processo de penetração estrangeira no estado já vinha se consolidando desde o início da década. O interesse deste país na região foi resultado das movimentações sociais proporcionadas principalmente pelas Ligas Camponesas. O receio que novas “Cubas” explodissem no continente permitiu que a Aliança para o Progresso fosse utilizada como um instrumento de penetração nos assuntos políticos de determinados países, pratica esta adotada durante a administração do democrata John F. Kennedy. No caso de Pernambuco, obteve seu auge nas eleições para governador no ano de 1962. Desta forma, a dissertação procura demonstrar o percurso utilizado pelo governo dos Estados Unidos para penetração nos assuntos políticos do estado, sem que recorresse a intervenção militar direta. Portanto, seu estudo permite demonstrar a inserção do Brasil no contexto da Guerra Fria e sua relação com a política de segurança nacional.