Mitologias do progresso na construção de uma grande Campina (1920-1940)

Este trabalho de pesquisa objetiva fazer uma análise da cidade de Campina Grande, interior do Estado da Paraíba, entre as décadas de 1920 e 1940, da gestão do prefeito Cristiano Lauritzen à última de Vergniaud Wanderley, partindo do pressuposto de que é naquele período que se gesta a noção de “grand...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2014
Main Author: ANDRADE, Juciene Batista Felix
Orientador/a: REZENDE, Antonio Paulo de Morais
Format: Tese
Language:por
Published: Universidade Federal de Pernambuco
Assuntos em Português:
Online Access:https://repositorio.ufpe.br/handle/123456789/11867
Resumo Português:Este trabalho de pesquisa objetiva fazer uma análise da cidade de Campina Grande, interior do Estado da Paraíba, entre as décadas de 1920 e 1940, da gestão do prefeito Cristiano Lauritzen à última de Vergniaud Wanderley, partindo do pressuposto de que é naquele período que se gesta a noção de “grandeza” que tem sido regularmente associada aquele espaço urbano. As (re)configurações discursivas que vão tomando a cidade como espaço de desejos e expectativas e que atraem forasteiros (brasileiros e estrangeiros), sobretudo ligados ao comércio e, em especial, ao comércio do algodão, irão fazer do “progresso” um campo semântico que se imprimiu por múltiplas formas. Embora a cidade, para o período aludido, tenha sido objeto de outras análises, nosso estudo se torna inovador ao enfrentar a problemática do “progresso”, em suas especificidades locais, e ao travar um diálogo com outras áreas, a exemplo do urbanismo e da arquitetura, o que resultou na exploração de fontes inéditas no campo da historiografia campinense, referimo-nos especialmente às plantasbaixas. Seguindo os passos desta caminhada, o trabalho encontra-se dividido em quatro etapas: a primeira trata de um diálogo com a historiografia e memórias que reforçam a dimensão mitológica da “grande Campina”; a seguir, enfrentamos a problemática do “progresso” que encantou políticos e jornalistas, vendo-o como um eco construtor de uma nova cidade, cujos desejos acabaram por transformar a “grandeza” numa espécie de mitologia consubstanciada através de uma memória topográfica; na sequência, o impacto no âmbito urbano quando o conceito se transforma em prática e arquiteturalmente se gesta uma nova estética (Art Deco), projetadas para o futuro, bem como um redimensionamento para o campo privado da casa de onde se percebe as novas sensibilidades voltadas para uma cultura material. Por fim, no âmbito da publicidade, enfoca-se a dimensão da cultura material através dos serviços e produtos oferecidos, apresentados como demonstração de uma cidade antenada com o “progresso”.