Moradores crônicos de hospital psiquiátrico: um desafio à desinstitucionalização

The existence of chronic inhabitants in the psychiatric hospitals imposes a challenge to the Psychiatric Reform, that proposes things such as the gradual and progressive way to extinct mental institutions, once the permanence of the hospital in the system is only necessary because there is not a net...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2010
Main Author: Bezerra, Cíntia Guedes
Orientador/a: Dimenstein, Magda Diniz Bezerra
Format: Dissertação
Language:por
Published: Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Programa: Programa de Pós-Graduação em Psicologia
Department: Psicologia, Sociedade e Qualidade de Vida
Assuntos em Portugês:
Assuntos em Inglês:
Áreas de Conhecimento:
Online Access:http://repositorio.ufrn.br:8080/jspui/handle/123456789/17459
Citação:BEZERRA, Cíntia Guedes. Moradores crônicos de hospital psiquiátrico: um desafio à desinstitucionalização. 2010. 118 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia, Sociedade e Qualidade de Vida) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2010.
Resumo Português:A existência de moradores crônicos nos hospitais psiquiátricos impõe um desafio à desinstitucionalização proposta pela Reforma Psiquiátrica, na medida em que o hospital se coloca como única alternativa assistencial, enquanto não há uma rede de serviços substitutivos suficiente para acolher essa demanda. Considerou-se relevante aprofundar o conhecimento acerca desses sujeitos que passam suas vidas isoladas pelos muros de hospitais psiquiátricos e compõem parcela significativa da população mundial. Objetivou-se investigar a problemática relativa à condição de ser morador de um hospital psiquiátrico Hospital Dr. João Machado (HJM), na cidade de Natal/RN por parte dos técnicos, dos familiares e dos moradores, com vistas a: definir o perfil destes; identificar a possibilidade de inserção em equipamentos sociais substitutivos; conhecer as expectativas dos moradores e familiares em relação à desinstitucionalização; investigar as demandas de cuidados e suporte social para viabilizá-la e identificar as dificuldades envolvidas nesse processo. Realizaram-se três etapas metodológicas: delineamento do perfil identificatório, sócio-econômico e clínico dos moradores do HJM; entrevistas semi-estruturadas com técnicos do HJM e entrevistas abertas com moradores e familiares. Constatou-se que a institucionalização psiquiátrica contribui para a geração de moradores crônicos nos hospitais psiquiátricos. Entre os técnicos, destacou-se a defesa pela desospitalização, mas também a existência de discursos institucionalizantes. Os familiares expuseram uma recusa à participação no cuidado e os moradores evidenciaram a vontade de sair do hospital, bem como o desejo de permanência. Verificou-se a importância: da construção de uma rede extra-hospitalar que possibilite a desinstitucionalização; da capacitação da equipe técnica em relação ao exercício de práticas desinstitucionalizantes; da orientação à família, estimulando a participação desta no cuidado; de possibilitar a apropriação de suas vidas pelos sujeitos em sofrimento mental e a expressão de seus desejos e opiniões e da efetivação de uma clínica ampliada instauradora de uma subjetividade pautada na inclusão social
Resumo inglês:The existence of chronic inhabitants in the psychiatric hospitals imposes a challenge to the Psychiatric Reform, that proposes things such as the gradual and progressive way to extinct mental institutions, once the permanence of the hospital in the system is only necessary because there is not a net of well structured substitute services capable of receiving that demand. This work considered relevant to deepen the knowledge about those people who passes their lives jailed by the walls of psychiatric hospitals and compose significant part of the world population. It also aimed to investigate the problem relative to the condition of being an inhabitant of a psychiatric hospital the Dr. João Machado Hospital (HJM), in the city of Natal/RN. The paper used different points of view (patients , families and professionals ) to define the profile of the inhabitants, to identify the possibility of insertion in substituting social equipment, to know the expectations of the inhabitants and their relatives regarding to the exit of the life shelter, to investigate the demands related to the net of cares social support for making feasible the discharge and to identify the difficulties that are involved in the exit of the chronic inhabitant of the hospital. There were defined three methodological phases: delineation of the identification, socio-economic and clinical profile of the inhabitants of the HJM; semi-structured interviews with professionals; and open interviews with inhabitants and family. It concluded that the psychiatric institutionalization contributes to the generation of chronic inhabitants in the psychiatric hospitals. Among the professionals, it was detached the defense of desospitalization, but an existence of devices of the asylum model. The relatives showed a resistance to participate in the care and the inhabitants exposed their desire to leave the hospital, as well like the wish of permanence. It was considered important: the construction of an extra-hospital net that enables to desinstitutionalization; the qualification of the technical; orientation to the family, stimulating its participation in the process of caring; give freedom to the individuals in mental suffering, enabling them to be ahead of their lives and express their desires and opinions; the implementation of an extended clinic that is capable of building new possibilities; and a subjectivity guided by the social enclosure