Platô do Ceará: uma plataforma carbonática isolada e afogada da Margem Equatorial brasileira

Estudos sobre a Margem Equatorial Brasileira (MEB) sempre estiveram concentrados na plataforma continental, apoiados pela indústria de óleo e gás. A região de águas profundas é vasta, desconhecida e economicamente inexplorada. Montes submarinos são feições típicas da MEB que se elevam desde o fundo...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2018
Main Author: Araújo, Isabelle Rosselyne Ferreira de
Orientador/a: Vital, Helenice
Co-orientador/a: Gomes, Moab Praxedes
Format: Dissertação
Language:por
Programa: PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GEODINÂMICA E GEOFÍSICA
Assuntos em Português:
Áreas de Conhecimento:
Online Access:https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/26274
Citação:ARAÚJO, Isabelle Rosselyne Ferreira de. Platô do Ceará: uma plataforma carbonática isolada e afogada da Margem Equatorial brasileira. 2018. 116f. Dissertação (Mestrado em Geodinâmica e Geofísica) - Centro de Ciências Exatas e da Terra, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2018.
Resumo Português:Estudos sobre a Margem Equatorial Brasileira (MEB) sempre estiveram concentrados na plataforma continental, apoiados pela indústria de óleo e gás. A região de águas profundas é vasta, desconhecida e economicamente inexplorada. Montes submarinos são feições típicas da MEB que se elevam desde o fundo oceânico. O Platô do Ceará (PtC) é um desses montes, localizado a 100 km da costa de Fortaleza (Brasil) e a leste da Alto de Fortaleza. Sua origem é tida como vulcânica, baseada em seus flancos íngremes e amostras coletadas em montes submarinos adjacentes. O topo tem uma profundidade média de 280 m e a cobertura é calcário enriquecido com fosforita (até 18%). O objetivo deste trabalho é discutir a evolução do PtC como uma plataforma carbonática isolada e, posteriormente, seu declínio. Foram utilizados dados de reflexão sísmica multicanal 2D associados à litologia e bioestratigrafia de poços exploratórios. Nas linhas sísmicas foram interpretados a forma e o padrão de terminação dos refletores, assim como a geometria externa e interna das fácies. Sete padrões sísmicos e quatro sequências sísmicas foram reconhecidos no PtC. Os resultados indicam que durante a transição Rupeliano/Chattiano, o substrato vulcânico estava próximo a zona fótica, levando ao desenvolvimento de recifes em franja. O desenvolvimento tornou-se progradacional (Chattiano-Burdigaliano) e depois agradacional (Burdigaliano/Tortoniano). A produção carbonática cessou durante o Tortoniano, provavelmente quando começou o degelo da calota da Antártica. A tectônica, subsidência e mudanças eustáticas em escala global e regional atuaram como fatores de controle no crescimento da plataforma. Essa plataforma pode ser usada como modelo para o desenvolvimento estratigráfico dos montes submarinos adjacentes da MEB.
Studies about the Brazilian Equatorial Margin (BEM) have always been concentrated in the continental shelf, supported by oil and gas industry. Deep-waters are vast, unknown and economically unexplored. In this way, there is a great data lack of the BEM's deep portion. Ceará Plateau (CeP) is a seamount and a significant feature of BEM, located 100 km offshore Fortaleza (Brazil) and east of Fortaleza High. Its origin supposed to be volcanic based in its steep flanks and collected samples (olivine basalt) in others surrounding seamounts. Its top is average 280 m depth and the coverage is limestone enriched with phosphorite (up to 18%). The aim of this work is to define CeP evolution as an isolated carbonatic platform and then its demise. We used 2D multichannel seismic reflection data associated with lithology and biostratigraphy of exploratory wells. In the seismic profiles, the shape and pattern of reflectors termination was interpreted, as well as their external and internal sequences geometry. In the seismic profiles, seven seismic patterns and four seismic sequences were recognized on the volcanic CeP top. Our results indicate that during the Rupelian/Chattian transition, the substrate was in the photic zone and partially emerged, leading to the development of carbonate wedges on the flanks. The development has become progradational (Chattian-Burdigalian) and then aggradational (Burdigalian/ Tortonian). Carbonate production ceased during the Tortonian, probably when the Antarctic ice sheet began to melt. Tectonics, subsidence and eustatic changes on a global and regional scale acted as control factors in the platform growth. This platform can be used as a model for the stratigraphic development of adjacent BEM seamounts.