Há tanta vida lá fora : o território como espaço de cuidado aos usuários de álcool e outras drogas

The universe of the abuse of drugs is connected to forces of the interference of the emerging health public policies, especially in the interface between the basic attention and mental health.Inserting the theoretical approach in this subject, this study proposes joints between the questions involvi...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2015
Main Author: Oliveira, Fernanda Caldas Rabelo de lattes
Orientador/a: Viana, José Maurício Mangueira lattes
Format: Dissertação
Language:por
Published: Universidade Federal de Sergipe
Programa: Pós-Graduação em Psicologia Social
Assuntos em Português:
Assuntos em Inglês:
Áreas de Conhecimento:
Online Access:https://ri.ufs.br/handle/riufs/5942
Citação:OLIVEIRA, Fernanda Caldas Rabelo de. Há tanta vida lá fora : o território como espaço de cuidado aos usuários de álcool e outras drogas. 2015. 79 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2015.
Resumo Português:O universo das práticas do uso abusivo de drogas é ligado a diversas forças intercessoras relacionadas às emergentes Políticas Públicas de Saúde, especificamente na interface entre a Atenção Básica e a Saúde Mental. Inserido neste campo temático com abordagem teórica, este estudo tem por objetivo propor articulações entre questões que envolvem o processo de desinstitucionalização e o cuidado no território às pessoas que experienciam o uso problemático do álcool e/ou outras drogas, em situação de rua. Ultrapassando a ideia de um lugar físico, geográfico, e entendendo território como um conjunto de referências sociais, culturais e econômicas que delineiam o cotidiano e o projeto de vida do sujeito, uma das questões norteadoras do campo conceitual deste estudo é como ofertar e produzir cuidado no território dessas pessoas. Uma segunda problemática não menos importante é em que medida essas práticas itinerantes recaem ou podem recair numa estratégia de biopoder, agindo como controle da população e na formatação dos indivíduos. Dialogando com a genealogia do poder/saber proposta por Michel Foucault, podemos compreender as tecnologias de poder e os efeitos produzidos do saberpoder, bem como as relações de forças e dos mecanismos de controle que estão sendo utilizados nas práticas de atenção e cuidado aos usuários de drogas em vivência de rua. No entanto, pensamos como possibilidade de escape ao controle biopolítico um modelo de clínica no espaço habitado apostando na produção de modos de cuidado no contexto abordado.
Resumo inglês:The universe of the abuse of drugs is connected to forces of the interference of the emerging health public policies, especially in the interface between the basic attention and mental health.Inserting the theoretical approach in this subject, this study proposes joints between the questions involving the process of thedeinstitutionalization and caring in the territory to people who experience the use of alcohol and other drugs in the streets.Exceeding the idea of a physical and geographical space, and understanding the territory as a set of social, cultural and economic references that outline the everyday and the life project of the person, one of the main questions of the concept of this study is how to offer and produce caring in the territory of these people. A second but not least important matter is in which measure these practices could fall in a strategy of biopower, acting as a control on the population and in their development. In a dialogue with the genealogy of power/knowledge proposal by Michael Foucault, we can understand the technologies of power and the effects produced by the power-knowledge, as well as the relations of forces and the control mechanisms that are being used in the practics of attention and caring to the drug addictts in the streets. However, we think in the possibility of a model of clinic, with no biopolitical control in the inhabited space, betting on the caring ways of the approached context.