Normas sociais e racismo em crianças aracajuanas de 5 a 8 anos de idade

The present study aims to investigate the relationship of social norms in the expression of prejudice in children from 5 to 8 years old. The central idea of the work is that the recognition of general rules/norms by the children is directly connected to moral and cognitive development, taking them t...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2015
Main Author: Huber, Tayane Nascimento lattes
Orientador/a: França, Dalila Xavier de lattes
Format: Dissertação
Language:por
Published: Universidade Federal de Sergipe
Programa: Pós-Graduação em Psicologia Social
Assuntos em Português:
Assuntos em Inglês:
Áreas de Conhecimento:
Online Access:https://ri.ufs.br/handle/riufs/5950
Citação:HUBER, Tayane Nascimento. Normas sociais e racismo em crianças aracajuanas de 5 a 8 anos de idade. 2015. 79 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2015.
Resumo Português:O presente estudo tem como objetivo investigar a relação das normas sociais na expressão do preconceito em crianças de 5 a 8 anos de idade. A ideia central deste trabalho é a de que o reconhecimento de regras/normas gerais pelas crianças está ligado diretamente ao desenvolvimento moral e cognitivo, levando elas a reconhecerem também as normas sociais antirracistas. Esse reconhecimento é fundamental já que as variações de expressão do preconceito pelas crianças estão ligadas ao processo de identificação e aceitação (internalização) da norma social antirracista. A fim de atingir o objetivo inicial, 80 crianças brancas de 5 a 8 anos de idade de ambos os gêneros foram investigadas a respeito do seu conhecimento sobre moralidade, normas sociais e preconceito. A forma de avaliação foi feita a partir de uma junção de partes de 4 instrumentos já validados. O instrumento formado é todo didático e com material ilustrativo, já que a pesquisa foi feita com crianças e é necessário manter a atenção delas. Algumas predições orientaram esse trabalho: a) A partir dos sete anos de idade as crianças demonstrariam com segurança o reconhecimento de regras gerais; b) As normas das próprias participantes (normas pessoais) para os grupos brancos e negros não se diferenciam das normas do grupo de referência (normas sociais) para esses grupos; e c) Participantes com idades superiores a sete anos de idade tenderiam a discriminar o alvo negro na ausência da entrevistadora e não na presença. Os resultados são discutidos à luz das teorias das normas sociais e do racismo na infância e, em conclusão, afirma-se que esta pesquisa apresenta uma colaboração para o desenvolvimento de teorias sobre norma social e a influência da norma nas formas de expressão do preconceito racial.
Resumo inglês:The present study aims to investigate the relationship of social norms in the expression of prejudice in children from 5 to 8 years old. The central idea of the work is that the recognition of general rules/norms by the children is directly connected to moral and cognitive development, taking them to also recognize the anti-racist social norms. This recognition is fundamental because the variations of expression of prejudice by children are connected to the identification and acceptance process (internalization) of antiracist social norm. In order to achieve the initial goal, 80 white children from 5 to 8 years old of both genders were investigated - about their knowledge of morality, social norms and prejudice. The form of evaluation was made from an union of parts of 4 instruments already validated. The instrument formed is all didactic and with illustrative material, because the research is conducted with children and is necessary to keep their attention. Some predictions have guided this work: a) From the age of seven, children demonstrate safely the recognition of general rules; b) The norms of the participants themselves (personal norms) for white and black groups did not differ from norms of the reference group (social norms) for these groups; c) participants aged over seven years old tend to discriminate against black target in the absence of the interviewer and not in the presence. The results are discussed in the light of the theories of social norms and racism in childhood and in conclusion, it is stated that this research presents a collaboration for the development of theories about social norm and the influence of the norm in the forms of expression of racial prejudice.