Produtividade e composição bromatológica da forragem de moringa

Moringa oleifera is a three of the Moringacea family, native of India, drought tolerant, introduced to Brazil in the 1950s aiming to treat water by its purifying power. It is also widely used as an herbal medicine in human heath in the treatment and prevention of diseases. It has a high amount of pr...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2017
Main Author: Fernandes, David Lopes
Orientador/a: Santos, Gladston Rafael de Arruda
Format: Dissertação
Language:por
Programa: Pós-Graduação em Zootecnia
Assuntos em Português:
Assuntos em Inglês:
Áreas de Conhecimento:
Online Access:http://ri.ufs.br/jspui/handle/riufs/7534
Citação:FERNANDES, David Lopes. Produtividade e composição bromatológica da forragem de moringa. 2017. 35 f. Dissertação (Mestrado em Zootecnia) - Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, SE, 2017.
Resumo Português:A Moringa oleifera é uma árvore da família moringácea, originária da Índia, tolerante a seca que foi introduzida no Brasil na década de 1950 e se apresenta como importante fonte de alimentos volumosos para de ruminantes. Ela proporciona elevada quantidade de proteína nas folhas e é bem aceita pelos animais. O objetivo deste trabalho foi avaliar a produtividade e a qualidade da massa de forragem acumulada de moringa cultivada em sistema adensado na região dos tabuleiros costeiros de Sergipe. O experimento foi instalado no Campo Experimental Jorge do Prado Sobral pertencente a Embrapa Tabuleiros Costeiros, localizado no município de Nossa Senhora das Dores – Sergipe. Foi utilizado um delineamento em blocos casualizados com oito repetições visando testar o efeito das densidades em 250.000 (0,20 m x 0,20 m), 500.000 (0,10 m x 0,20 m) e 1.000.000 (0,10 m x 0,10 m) plantas/ha e parcelas de 3,0 X 3,0 m, com 8 repetições por tratamento. Foram realizados 6 cortes ao longo de um ano, em um período de avaliação de 23 de novembro de 2015 e término em 23 de novembro de 2016. Os parâmetros produtivos avaliados foram os seguintes: produção de biomassa verde, matéria seca (MS), taxa de sobrevivência (TS), proporção de caule e folhas na matéria verde e seca. Quanto aos parâmetros bromatológicos, foram avaliados os teores de matéria seca, cinzas, extrato etéreo, proteína bruta, FDN e FDA. Os resultados encontrados demonstraram não haver diferença significativa (p>0,05) entre os parâmetros estudados, exceto para a taxa de sobrevivência que foi maior no tratamento de menor adensamento (81,64%) em relação aos outros dois (61,31%) e (45,54%). Concluiu-se que não existe beneficio em aumentar o adensamento acima de 250.000 plantas/ha.
Resumo inglês:Moringa oleifera is a three of the Moringacea family, native of India, drought tolerant, introduced to Brazil in the 1950s aiming to treat water by its purifying power. It is also widely used as an herbal medicine in human heath in the treatment and prevention of diseases. It has a high amount of protein in the leaves and is well accepted by animals as a forage. The objective of this work was to evaluate the productivity and the quality of the Moringa accumulated forage mass, cultivated in different crop densities in the coastal tableland region of Sergipe State. A trial was carried out in the Jorge do Prado Sobral Experimental Station of Embrapa Tabuleiros Costeiros located in the county of Nossa Senhora das Dores - Sergipe. A randomized block design with eight replicates was used to test the effect of the densities 250,000 (0,20 m x 0,20 m), 500,000 (0,10 m x 0,20 m) and 1,000,000 (0,10 m x 0, 10 m) plants / ha in plots of 3,0 x 3,0 m. Six cuts were carried out from November 23, 2015 to November 23, 2016. The parameters of green biomass production, dry matter production (DM), survival rate (TS), stems and leaves ratio in green and dry matter were evaluated. No significant differences (p <0.05) were observed among means for all the parameters, except for the survival rate that was higher in the treatment of the lower density (81.64%) in relation to the other two (61.31%) and (45.54%). It was concluded that there is no benefit in increasing crop density above 250,000 plants / ha.