Esteriótipos e preconceito contra os idosos

The elderly are an increasingly representative group in our society. IBGE data shows that in the year 2000 there were 14.5 million persons aged 60 or more in Brazil, or 8% of the population. In 2010, this number rose to 18 million, which corresponds to 12% of all Brazilians. The growth of the elderl...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2013
Main Author: Vieira, Rodrigo de Sena e Silva lattes
Orientador/a: Lima, Marcus Eugênio Oliveira lattes
Format: Dissertação
Language:por
Programa: Pós-Graduação em Psicologia Social
Assuntos em Português:
Assuntos em Inglês:
Áreas de Conhecimento:
Online Access:https://ri.ufs.br/handle/riufs/5953
Resumo Português:Os idosos são um grupo cada vez mais representativo em nossa sociedade. Dados do IBGE mostram que, no ano 2000, havia 14,5 milhões pessoas com 60 anos ou mais no Brasil, ou 8% da população. Em 2010, esses números subiram para 18 milhões, o que corresponde a 12% do total de brasileiros. O crescimento da população idosa viabiliza e intensifica o contato desses indivíduos com os demais grupos sociais, fomentando reflexões sobre o modo como o idoso é concebido e suas implicações nas relações que se estabelecem com ele. Grosso modo, existe uma visão ambivalente sobre essas pessoas em nosso país, onde são associadas positivamente à afetividade e a novos estilos de vida, mas negativamente à decadência e à invalidez. É de nosso interesse aprofundar o modo como essas crenças se organizam, assim como suas implicações no cotidiano. Este trabalho investiga os estereótipos e o preconceito contra os idosos, ou idadismo, fenômenos que possuem especificidades. Primeiramente, envolvem o trato com um grupo de que todos farão parte no futuro, diferentemente das relações observadas no racismo ou sexismo. Em segundo lugar, para além da manifestação aberta, o idadismo pode se camuflar em práticas socialmente aceitas, como a infantilização ou a superproteção dos idosos. Nossa investigação sobre o tema se deu a partir de 2 estudos: um deles averiguou o conteúdo e a organização dos estereótipos sobre os idosos através de um questionário autoaplicável, além do preconceito explícito por meio de duas escalas; o segundo analisou o preconceito não controlado através de uma técnica que mede atitudes implícitas. Os resultados apontam para uma fuga das declarações abertas de preconceito, em que a maior parte do conteúdo negativo expressado é atribuída à sociedade. Entretanto, quando os respondentes não têm controle sobre suas atitudes, a manifestação do idadismo é clara.
Resumo inglês:The elderly are an increasingly representative group in our society. IBGE data shows that in the year 2000 there were 14.5 million persons aged 60 or more in Brazil, or 8% of the population. In 2010, this number rose to 18 million, which corresponds to 12% of all Brazilians. The growth of the elderly population enables and enhances the contact of these individuals with other social groups, encouraging reflections on how the elderly are seen and its implications on the relations established with them. Roughly speaking, there is as ambivalent vision about these people in our country, which are positively associated with affection and new lifestyles, but negatively associated to decline and disability. It is our interest to investigate how these beliefs are organized, as well as its implications in daily life. This work investigates stereotypes and prejudice against the elderly, or ageism, a phenomenon that has specificities. First, it involves dealing with a group that everyone will take part in the future, unlike the relationships observed in racism or sexism. Secondly, apart from its open expression, ageism can hide in socially accepted practices, such as overprotection and infantilization of the elderly. Our research took place from 2 studies: the first one examined the content and the organization of stereotypes about the elderly through a questionnaire, in addition to explicit prejudice by using two scales; the second one examined uncontrolled prejudice through a technique that measures implicit attitudes. The results suggest that people try to hide clear manifestations of prejudice; most of the negative content is attributed to society. However, when respondents have no control over their actions, the manifestation of ageism is clear.