Uma abordagem prática neuropedagógica como contribuição para a alfabetização de pessoas portadoras de necessidades educativas especiais

Tese (doutorado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Tecnológico. Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2001
Main Author: Fischer, Julianne
Orientador/a: Lapolli, Edis Mafra
Format: Tese
Language:por
Published: Florianópolis, SC
Online Access:http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/81948
Resumo Português:Este trabalho possui seu foco principal na atividade de alfabetização utilizando atividades elaboradas com base em recentes estudos sobre o funcionamento do cérebro humano. As atividades elaboradas foram constituídas em função da necessidade de desenvolver, no professor alfabetizador, uma fundamentação sólida no processo ensino-aprendizagem, além de enriquecer a sua prática pedagógica. As atividades foram utilizadas nesta pesquisa sob o enfoque da pesquisa-ação, uma vez que diversas formas de ação coletiva foram executadas no mesmo tempo em que aconteceram orientações para a resolução de problemas surgidos. Para a execução da pesquisa-ação, alunos do Curso de Pedagogia da FURB foram envolvidos desde a fase de diagnóstico (concebidos conforme estudos de Ferreiro e Teberosky) até a fase de aplicação das atividades de alfabetização em turmas de 1a Série do Ensino Fundamental da Rede Regular de Ensino da Região de Blumenau. Por fim, os resultados foram tabulados e analisados. O resultado dessa pesquisa foi positivo, pois o primeiro diagnóstico realizado com os alunos (antes de qualquer aplicação das atividades) apontava que 46% deles, mesmo em setembro de 2000 (final do ano letivo), ainda não se encontravam alfabetizados. Após aplicações sistemáticas das atividades desenvolvidas nessa pesquisa, o índice de alfabetização das turmas, que antes era de 54%, saltou para 96%, apontando assim uma recuperação surpreendente. O resultado não apenas valida as atividades utilizadas, mas também vem ratificar a necessidade dos professores de conhecer o processo de ensino-aprendizagem de um modo mais amplo, se apoiando também nos processos internos de funcionamento do cérebro humano, e, dessa maneira, melhorando o desempenho dos seus alunos em sala de aula.