O caráter multifuncional da agricultura: um estudo de caso no município de Rio do Sul - Alto Vale do Itajaí-SC

Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências Agrárias. Programa de Pós-Graduação em Agroecossistemas.

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2004
Main Author: Alves, Arilde Franco
Orientador/a: Cazella, Ademir Antonio
Format: Dissertação
Language:por
Published: Florianópolis, SC
Online Access:http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/86934
Resumo Português:A multifuncionalidade agrícola pauta-se na compreensão de que a agricultura, além de produzir alimentos e fibras, desempenha outras funções de fundamental importância na dinâmica de desenvolvimento rural. Essas funções, muitas delas de natureza não econômica, vão do agroturismo, "produção" da paisagem, preservação da biodiversidade e do meio ambiente. Este entendimento amplia o campo das funções socioeconômicas atribuídas à agricultura, deixando de ser entendida apenas como produtora de bens agrícolas. Deste modo, a pesquisa realizada estudou a noção de multifuncionalidade agrícola, através de um trabalho de campo sobre a realidade das unidades agrícolas do município de Rio do Sul-SC. As atividades agrícolas do município, mesmo aquelas voltadas à produção de bens de subsistência das famílias, sofreram nas últimas décadas uma forte retração, perdendo seu espaço, tanto em área, quanto em produtividade, tornando o município um importador de produtos agrícolas, que anteriormente tinha em abundância. A economia do município centra-se no comércio e na indústria de manufaturas de base. A interação de atividades agrícolas com as atividades na indústria, sobretudo a metal-mecânica e têxtil, tem caracterizado o que se denomina de pluriatividade das famílias agrícolas. Muitos membros dessas famílias têm na atividade agrícola uma forma de preservar o patrimônio (a terra), tendo como fonte de renda monetária principal a atividade não-agrícola. No entanto, apesar da agricultura ocupar um lugar secundário na economia local, entende-se que a mesma desempenha outras funções de fundamental importância para as unidades agrícolas familiares e, em especial, para a sociedade em geral. Metodologicamente, o trabalho esteve centrado nas famílias rurais, de modo que, no lugar da agricultura stricto sensu, a unidade de observação foi a família rural, que ao desenvolver qualquer atividade, revela diferente significado e peso econômico para sua reprodução. Através do cruzamento de informações secundárias e os dados de campo levantados na comunidade Bom Fim, este estudo traduziu-se no entendimento que o uso dessa noção pode viabilizar novas orientações na formulação de políticas no campo do desenvolvimento rural. Dessa forma, foi realizada uma avaliação das diferentes formas de participação da agricultura na constituição da renda familiar, em comparação às atividades não-agrícolas. A análise do peso econômico das atividades agrícolas, inclusive aquelas de subsistência, frente às remunerações associadas a "pluriatividade" e das políticas públicas compensatórias (aposentadorias rurais, auxílios doença, etc.) possibilitou demonstrar a importância do papel de "coesão social", que a agricultura ainda desempenha, para as famílias rurais numa zona de economia dinâmica.