Indu??o de fluoresc?ncia interferente em culturas de linf?citos humanos pelo tratamento com tr?s extratos vegetais

A presen?a de fluoresc?ncia interferente em uma dada amostra ? considerada como um importante problema em m?todos fluorim?tricos, devido ? poss?vel sobreposi??o espectral entre ela e a emiss?o fluorescente de sondas. Por isso, ? importante conhecer se h? fluoresc?ncia interferente em uma dada amostr...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2017
Main Author: Ottoni, Marcelo Henrique Fernandes
Orientador/a: Melo, Gustavo Eust?quio Brito Alvim de
Format: Dissertação
Language:por
Published: UFVJM
Online Access:http://acervo.ufvjm.edu.br/jspui/handle/1/1594
Citação:OTTONI, Marcelo Henrique Fernandes. Indu??o de fluoresc?ncia interferente em culturas de linf?citos humanos pelo tratamento com tr?s extratos vegetais. 2017. 95 p. Disserta??o (Mestrado) ? Programa de P?s-gradua??o em Ci?ncias Farmac?uticas, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, Diamantina, 2017.
Resumo Português:A presen?a de fluoresc?ncia interferente em uma dada amostra ? considerada como um importante problema em m?todos fluorim?tricos, devido ? poss?vel sobreposi??o espectral entre ela e a emiss?o fluorescente de sondas. Por isso, ? importante conhecer se h? fluoresc?ncia interferente em uma dada amostra e subst?ncias de interesse nas condi??es de trabalho pretendidas. No presente estudo, foi avaliada a presen?a de fluoresc?ncia interferente em linf?citos humanos ap?s o tratamento com extratos de tr?s diferentes plantas medicinais, sendo estas, objeto de estudo do nosso grupo de pesquisas. Os extratos s?o: o extrato etan?lico das partes a?reas de Ageratum fastigiatum, extrato etan?lico das partes a?reas de Eriosema campestre e o extrato etan?lico do caule de Pseudobrickellia brasiliensis. Foi coletado o sangue de tr?s volunt?rios para a separa??o das c?lulas mononucleares de sangue perif?rico, para a confec??o de culturas in vitro em meio RPMI devidamente suplementado. Foram feitas uma cultura controle n?o-tratada (CON), culturas tratadas com cada extrato em tr?s concentra??es diferentes, al?m de uma cultura de c?lulas tratadas com dimetilsulf?xido (DMSO), solvente usado na solubiliza??o dos extratos vegetais. As culturas celulares foram incubadas por 24 horas a 37 ?C e 5% de CO2. Ap?s esse per?odo, as c?lulas foram lavadas e avaliadas por citometria de fluxo ou por microscopia confocal. A presen?a de fluoresc?ncia interferente foi determinada com base em histogramas de intensidade de fluoresc?ncia feitos para oito intervalos de comprimento de onda distintos, tendo sido feitas an?lises quali e quantitativas dos dados. A fluoresc?ncia dos extratos vegetais e DMSO foram avaliadas isoladamente por fluorimetria, usando-se as mesmas concentra??es utilizadas para as culturas celulares. Atrav?s da citometria de fluxo, foi identificado que o tratamento de linf?citos com qualquer um dos tr?s extratos de plantas levou ao aparecimento de fluoresc?ncia interferente detect?vel em v?rias faixas de comprimento de onda. Culturas tratadas com DMSO n?o apresentaram fluoresc?ncia interferente. Pela fluorimetria foi visto que os extratos n?o emitem fluoresc?ncia, o que sugere que a fluoresc?ncia interferente foi induzida nas c?lulas ap?s intera??es entre elas e os extratos. Este estudo levanta precau??es que visam avaliar a poss?vel presen?a de fluoresc?ncia interferente em condi??es de trabalho, possibilitando evitar esse vi?s e aumentar a confiabilidade dos resultados.