Teores de proteína bruta no concentrado e níveis de suplementação para vacas em lactação

Four experiments were carried out in Viçosa-MG, Carlos Chagas-MG and Januária-MG. In the first experiment was evaluated the response of 40 crossbred Holstein/Zebu cows, in pasture of Brachiaria brizantha, to four concentrate supplements, represented by: control treatment (T1) - 200 grams of mineral...

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2008
Main Author: Pimentel, Joabe Jobson de Oliveira lattes
Orientador/a: Lana, Rogério de Paula lattes
Co-advisor: Leão, Maria Ignez lattes, Paulino, Mário Fonseca lattes
Banca: Graça, Décio de Souza lattes, Matos, Leovegildo Lopes de lattes
Format: Tese
Language:por
Published: Universidade Federal de Viçosa
Programa: Doutorado em Zootecnia
Department: Genética e Melhoramento de Animais Domésticos; Nutrição e Alimentação Animal; Pastagens e Forragicul
Assuntos em Português:
Assuntos em Inglês:
Áreas de Conhecimento:
Online Access:http://locus.ufv.br/handle/123456789/1725
Citação:PIMENTEL, Joabe Jobson de Oliveira. Concentrate crude proteín content an supplementation levels for milking cows. 2008. 93 f. Tese (Doutorado em Genética e Melhoramento de Animais Domésticos; Nutrição e Alimentação Animal; Pastagens e Forragicul) - Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2008.
Resumo Português:Para desenvolvimento da tese foram realizados quatro experimentos sendo dois em Viçosa, um em Carlos Chagas e outro em Januária. No primeiro experimento avaliou-se a resposta de 40 vacas meio sangue holandês/zebu, em pastagem de Brachiaria brizantha, a quatro formas de suplementação com concentrados, representadas por: tratamento controle (T01) - 200 gramas de suplemento mineral contendo 10% de fósforo; tratamento 02 (T02) - 2,0 kg de suplemento contendo 50% de proteína bruta (PB); tratamento 03 (T03) - 3,5 kg de suplemento contendo 28,6% de PB e tratamento 04 (T04) - 5,0 kg de suplemento com 20% de PB, num delineamento em blocos casualizados com 10 repetições por tratamento. Os suplementos foram fornecidos em duas porções diárias, após as ordenhas, em baias individuais. Após a suplementação, as 40 vacas eram levadas ao pasto onde permanecia entre as ordenhas. A cada 21 dias pós parto, até os 84 dias, foi feita pesagem de leite e dos animais bem como avaliação de escore corporal. O tratamento T03 possibilitou maior produção de leite em todos os períodos analisados, demonstrando ser a formulação mais ajustada para as condições deste experimento. Avaliando a resposta em produção de leite obtiveram-se os valores de 1,040; 1,200; e 0,630 kg de leite por kg de concentrado, respectivamente, para os tratamentos T02, T03 e T04, em relação ao tratamento controle (T01). Os animais do tratamento T01 tiveram maior perda de peso vivo e de escore corporal, não havendo diferença entre os demais tratamentos. No segundo experimento o objetivo foi avaliar o consumo, a produção e composição do leite e a variação de peso corporal de vacas leiteiras alimentadas com dietas a base de silagem de sorgo suplementada ou não com concentrados. Foram utilizadas nove vacas mestiças Holandês/Gir com grau de sangue variando de 3/4 a 7/8, com peso médio de 500 kg e no terço médio da lactação, distribuídas em três quadrados latinos 3x3 balanceados de acordo com a produção de leite no início do experimento. Os tratamentos consistiram de um controle onde os animais recebiam 200 gramas de suplemento mineral e dois níveis de concentrados, 2,6 e 5,0 kg por dia, contendo 0,0; 38,5 e 20,0% de PB na matéria natural respectivamente. O consumo de matéria seca apresentou diferença estatística, sendo de 11,9; 15,5 e 17,5 kg, respectivamente, para os tratamentos 1, 2 e 3. As produções de leite (8,8; 12,9 e 12,7 kg/vaca/dia) foram maiores para os onde se suplementou com concentrados e estes não diferiram entre si. As respostas produtivas em kg de leite por kg de concentrado foram de 1,67 e 0,83 para o menor e maior nível de suplementação, respectivamente. Vacas leiteiras alimentadas com silagem de sorgo, com produção de leite de até 13 kg/dia fornecem melhor retorno em produção quando são utilizados suplementos com alto nível de proteína e minerais. O fornecimento de 2,6 kg por dia de concentrado com 38,5% de PB e alto teor de minerais é possível manter produção de leite de até 13 kg por dia com vacas tratadas com silagem de sorgo. O terceiro experimento teve como objetivo avaliar os efeitos da quantidade de suplementos na produção e composição do leite. Oito vacas mestiças Holandês-Zebu (517±40 kg) foram distribuídas em dois quadrados latinos 4 x 4, em quatro períodos de 14 dias. O experimento foi conduzido em pastagem de capim-elefante (Pennisetum purpureum, Schum) na estação chuvosa, e os tratamentos incluíram um controle (mistura mineral) e suplementos com 24% de PB na matéria seca nos níveis de 1,25; 2,5; e 5,0 kg/animal/dia, baseado em fubá de milho, farelo de soja, uréia e mistura mineral. O experimento foi analisado efeitos de tratamento, quadrado latino, animal dentro de quadrado latino e período. Não houve efeito de tratamento (P>0,05) devido ao alto coeficiente de variação. A resposta média da produção de leite em função da suplementação foi curvilínea, seguindo o relacionamento de Michaelis-Menten de sistemas enzimáticos, e foi explicada pela seguinte equação de Lineweaver-Burk: 1/leite = 0,0125* (1/supl) + 0,0826; r2 = 1,00. A produção máxima teórica de leite (1/a) foi de 12,1 kg/animal/dia, e a quantidade de concentrado que resultou na metade da produção máxima de leite (b/a) foi verificada com 5,2% daquela necessária para atingir 95% da resposta máxima. Portanto, o aumento marginal na produção de leite reduz com o aumento na suplementação, diferente do NRC 2001 de gado de leite que considera resposta linear para o suprimento tanto de energia quanto de proteína. No quarto e último experimento avaliaram-se os efeitos do teor de proteína bruta e níveis de suplementação sobre a produção e composição do leite de vacas alimentadas com cana-de-açúcar. Oito vacas mestiças Holandês-Zebu (541 kg) foram distribuídas em dois quadrados latinos 4x4, em quatro períodos de 15 dias, e receberam como volumoso em torno de 40 kg/dia de cana-de-açúcar picada acrescida de 0,25% de mistura uréia/sulfato de amônia (9 partes de uréia para 1 parte de sulfato de amônia). Os tratamentos consistiram de um controle onde, apenas sal mineral foi fornecido e suplementação com três níveis de concentrados: 1,25; 2,5; e 5,0 kg/animal/dia, contendo milho moído, farelo de soja, mistura de uréia/sulfato de amônia 9:1 e sal mineral na proporção de 00,0:76,0:11,5:12,5; 42,2:46,2:5,9:5,7; e 75,4:18,8:2,9:2,9 (tratamentos 2, 3 e 4, respectivamente). O experimento foi analisado em quadrado latino (QL) incluindo efeitos de tratamento, QL, animal/QL e período. Apesar de não ocorrer efeito de tratamento para as variáveis analisadas, a resposta em leite foi curvilínea, seguindo o relacionamento de Michaelis-Menten, e foi explicada pela seguinte equação de Lineweaver-Burk: 1/leite = 0,0199*(1/supl) + 0,1032; r2 = 0,96. A produção máxima teórica de leite (1/a) foi de 9,7 kg/animal/dia, e a quantidade de concentrado para causar metade da produção máxima de leite (b/a) foi verificada com 5,2% daquela para atingir 95% da resposta máxima. Portanto, o aumento marginal na produção de leite reduz com a suplementação, diferente do NRC 2001 que considera resposta linear para o suprimento tanto de energia quanto de proteína.
Resumo inglês:Four experiments were carried out in Viçosa-MG, Carlos Chagas-MG and Januária-MG. In the first experiment was evaluated the response of 40 crossbred Holstein/Zebu cows, in pasture of Brachiaria brizantha, to four concentrate supplements, represented by: control treatment (T1) - 200 grams of mineral supplement with 10% of P; treatment 2 (T2) - 2.0 kg of supplement containing 50% crude protein (CP); treatment 03 (T3) - 3.5 kg of supplement containing 28.6% CP; and treatment 4 (T4) - 5.0 kg of supplement containing 20% CP, in a randomized blocks design with 10 replicates per treatment. The supplements were given in two daily portions, after milking, in individual pens. Between milking and supplementation, all the cows were conducted to a same pasture. At every 21 days after calving, up to 84 days, it was measured milk and animals weight as well as the evaluation of body condition score. The treatment 3 allowed higher milk production in all evaluated periods, showing that this formulation adjusted better for the conditions of the experiment. The evaluation of the response in milk production showed values of 1,040; 1,200; and 0.630 kg f milk per kg of concentrate, respectively, for the treatments T02, T03, and T04 in relation to the control treatment (T01). The animals of treatment T1 showed higher loss of live weight and body condition score, with no difference among the other treatments. In the second experiment the objective was to evaluate the nutrient consumption, the production and composition of milk and body weight change of dairy cows fed diets based on sorghum silage, supplemented or not with concentrates. Nine crossbred cows Holstein/Gyr, 500 kg live wight and in mid lactation were distributed in three balanced Latin squares 3x3. The cows received sorghum silage as forage and supplements with 2.6 kg or 5.0 kg per day, with 38.5 and 20.0% of PB respectively. The consumption of dry matter differed from treatments being 11.9; 15.5 and 17.5 kg/cow/day for treatments 1, 2 and 3, respectively. The milk production (8.8; 12.9 and 12.8 kg/cow/day) was bigger for the treatments with concentrate that did not differ between tem. The milk response in kg of milk per kg of concentrate was of 1.67 and 0.83 for the minor and higher supplementation level, respectively. Milking cows receiving sorghum silage, producing up to 13 kg of milk per day have higher milk response when supplement with high protein and mineral level was used. By using 2.6 kg per day of concentrate with 38.5% of CP and high mineral content it is possible to keep milk production up to 13 kg per day with cows receiving sorghum silage. The third experiment aimed to evaluate the effects of supplement amount on milk production and composition. Eight crossbred Holstein-Zebu cows (517±40 kg) were allotted in two 4 x 4 Latin squares, in four periods of 14 days. The experiment was conducted on pasture of elephant grass (Pennisetum purpureum, Schum) in the rainy season, and the treatments included a control (mineral mixture) and supplement with 24% CP in dry matter at levels of 1.25, 2.5, and 5.0 kg/animal/day, based on corn, soybean meal, urea and mineral mixture. The experiment was analyzed as Latin square design including effects of treatment, Latin square, animal within Latin square and period. There was no treatment effect (P>0.05) due to high coefficient of variation. The mean milk production as a function of supplementation was curvilinear, following a Michaelis-Menten relationship of enzymatic systems and was explained by the following equation of Lineweaver-Burk: 1/Milk = 0.0125*(1/Suppl) + 0.0826; r2 = 1.00. The theoretical maximum milk production (1/a) was 12.1 kg/animal/day, and the amount of concentrate to cause half maximum milk production (b/a) was verified with 5.2% of that necessary to reach 95% maximum response. Therefore, the marginal increase in milk production reduces with increasing supplementation, different of the 2001 dairy NRC that consider linear responses for both energy and protein supplies. In the last study it was evaluated the effects of supplement levels on milk production and composition of cows in feedlot. Eight crossbred Holstein-Zebu cows (515 kg) were distributed in two 4x4 Latin square, in four periods of 15 days, and received as a forage around 40 kg/day of chopped sugarcane added 0.25% of mixture of urea/ammonia sulfate (nine parts of urea and one part of ammonia sulfate). The treatments consisted of a control treatment which only mineral mixture was supplemented and supplementation with three concentrate levels: 1.25; 2.5; and 5.0 kg/animal/day of supplements containing corn meal, soybean meal, mixture of urea/ammonia sulfate 9:1 and mineral salt in the proportion of 00.0:76.0:11.5:12.5; 42.2:46.2:5.9:5.7; and 75.4:18.8:2.9:2.9 (treatments 2, 3 and 4, respectively). The experiment was analyzed as Latin square (LS) including effects of treatment, LS, animal/LS and period. In spite of lack of treatment effects on the evaluated variables, the response in milk was curvilinear, following the Michaelis-Menten relationship, and was explained by the following equation of Lineweaver-Burk: 1/milk = 0.0199* (1/suppl) + 0.1032; r2 = 0.96. The theoretical maximum milk production (1/a) was of 9.7 kg/animal/day, and the amount of concentrate to cause half of the maximum milk production (b/a) was verified with 5.2% of that needed to reach 95% maximum response.