Multiplicação do nematoide Meloidogyne paranaensis e velocidade de enraizamento de estacas caulinares em sete espécies de plantas medicinais

Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária, Programa de Pós-Graduação em Agronomia, 2016.

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2016
Main Author: Mendonça, Clarissa Izetti de
Orientador/a: Mattos, Jean Kleber de Abreu
Format: Dissertação
Language:por
Online Access:http://repositorio.unb.br/handle/10482/20798
http://dx.doi.org/10.26512/2016.02.D.20798
Citação:MENDONÇA, Clarissa Izetti de. Multiplicação do nematoide Meloidogyne paranaensis e velocidade de enraizamento de estacas caulinares em sete espécies de plantas medicinais. 2016. xi, 88 f., il. Dissertação (Mestrado em Agronomia)—Universidade de Brasília, Brasília, 2016.
Resumo inglês:Meloidogyne paranaensis foi caracterizado e descrito por Carneiro et al. como uma nova espécie em 1996. Os primeiros relatos demonstram a alta virulência que provocam em plantas de café no Estado do Paraná e São Paulo, destacando-se das demais espécies de nematoides pela sua agressividade e forte dano ao sistema radicular de cafeeiros. Recentemente, a espécie começou a ser pesquisada em plantas medicinais no Brasil. A primeira etapa, que teve por objetivo testar a reação de sete importantes espécies de plantas medicinais quanto ao M. paranaensis, foi realizada em casa de vegetação, na Estação Experimental de Biologia da Universidade de Brasília, no Distrito Federal. Utilizou-se delinemaneto inteiramente casualizado com seis repetições. As plantas foram multiplicadas por estaquia e transplantadas para vasos de 2,5 L preenchidos com mistura latossolo vermelho de cerrado mais areia, vermiculita e composto orgânico, na proporção 3:1:1:1 respectivamente, mais a formulação 4-14-8, na dose de 100g para cada 40 L da mistura. No momento de transplante as plantas foram inoculadas com 5.000 ovos de duas populações do nematoides M. paranaensis (fenótipos de esterase P1 e P2). Após 90 dias de cultivo, foram colhidas as raízes das plantas para determinação do índice de galhas e do fator de reprodução. Houve diferença de suscetibilidade a duas populações de M. paranaensis entre os acessos testados, não havendo estatisticamente diferença importante na reação dos acessos em relação às populações testadas. Os acessos Pfaffia glomerata, Hypericum perforatum e Melissa officinalis apresentaram-se como hospedeiros altamente suscetíveis às duas populações de M. paranaensis. Pogostemon cablin apresentou-se em situação intermediária podendo ser classificado apenas como suscetível. Artemisia annua e Catharanthus roseus apresentaram-se como altamente resistentes e Cordia verbenacea como resistente. Catharanthus roseus distinguiu-se por apresentar elevado índice de galhas, porém sem permitir a multiplicação do nematoide. Ensaios de suscetibilidade de espécies vegetais ao nematoide das galhas (Meloidogyne spp.), a fim de garantirem resultados confiáveis, devem ser feitos com plantas novas que possuam raízes recém desenvolvidas e apresentem raízes secundárias e pelos radiculares. A segunda etapa, que teve por objetivo avaliar a velocidade de enraizamento de estacas de sete acessos de plantas medicinais, em leito de areia visando obter informações úteis para um estabelecimento de um cronograma de produção de mudas para ensaios com nematoides do gênero Meloidogyne. O experimento foi realizado na Estação Experimental de Biologia da Universidade de Brasília, em casa de vegetação de novembro a fevereiro de 2016. As estacas foram avaliadas aos 20, 30, 40 e 50 dias após a implantação e foram atribuídas notas de enraizamento conforme escala própria visando ensaios com nematoides do gênero Meloidogyne. Estacas das espécies medicinais Artemisia annua; Catharanthus roseus, Cordia verbenacea; Hypericum perforatum; Melissa officinalis; Pfaffia glomerata; Pogostemon cablin produziram mudas viáveis para ensaios com Meloidogyne spp. As espécies diferiram quanto à sobrevivência, eficiência e velocidade de enraizamento das estacas em areia. Elegeu-se um prazo médio de 30 dias para que o volume de raízes das estacas das espécies testadas estivesse em condições de ser inoculado com ovos e juvenis de Meloidogyne spp. Estacas de todas as espécies testadas mostraram-se resistentes ao transplante após iniciado o enraizamento.