Colonização de Trembleya parviflora em áreas úmidas no Distrito Federal, Brasil

Tese (doutorado)—Universidade de Brasília, Instituto de Biologia, Depártamento de Botânica, 2015.

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2015
Main Author: Giotto, Ani Cátia
Orientador/a: Ribeiro, José Felipe
Format: Tese
Language:por
Online Access:http://repositorio.unb.br/handle/10482/19676
http://dx.doi.org/10.26512/2015.03.T.19676
Citação:GIOTTO, Ani Cátia. Colonização de Trembleya parviflora em áreas úmidas no Distrito Federal, Brasil. 2015. xiv, 107 f., il. Tese (Doutorado em Botânica)—Universidade de Brasília, Brasília, 2015.
Resumo inglês:Nas Veredas ocorre atualmente aumento populacional do estrato arbustivo, causando redução na diversidade vegetal da comunidade. O objetivo geral deste estudo foi investigar a estrutura populacional da espécie arbustiva Trembleya parviflora (D. Don) Cogn. (Melastomataceae) e seu efeito na germinação e no banco de sementes em Veredas com alta e baixa colonização dessa espécie, respectivamente na Estação Ecológica de Águas Emendadas (ESECAE) e no Parque Nacional de Brasília (PNB). Na estrutura populacional, foram amostrados indivíduos nos estratos inferior, médio e superior. A maior germinabilidade foi encontrada para sementes armazenadas após um mês (47%), em temperatura alternada (46%) e coletadas no PNB (48%). No banco de sementes emergiram 22.325 plântulas (78% T. parviflora). A abundância e a riqueza de plântulas foram semelhantes entre o período chuvoso e o seco, mas a ESECAE apresentou menor riqueza e diversidade. Além disso, o acúmulo de serapilheira reduziu a abundância de plântulas. A redução na umidade aumentou a dominância de T. parviflora, sugerindo que o rebaixamento do lençol freático favorece a sua expansão em Veredas. A área avaliada na ESECAE (14.295 ind.ha-1) apresentou densidade significativamente maior (19x) que a área do PNB (725 ind.ha-1) em todos os estratos e nos inventários inicial e final. Esses resultados contribuem com conhecimentos de base a respeito do ciclo de vida e impactos da espécie T. parviflora sobre comunidades nativas das Veredas, ambiente crucial para a manutenção de nascentes e bacias hidrográficas no Cerrado. Estes dados serão muito úteis na conservação e manejo deste tipo de Área de Proteção Permanente.