UNB
Doctoral Thesis

A primeira revolução do século XXI? : bolivarianismo e socialismo Venezuela

A presente tese tem como objetivo central determinar se a República Bolivariana da Venezuela atravessa de fato por uma revolução, que devido às perspectivas de renovação da esquerda marxista, da importância da ruptura revolucionária e da transição ao socialismo para a região, lançamos tal problema...

Full description

Main Author: Seabra, Raphael Lana
Other Authors: Dal Rosso, Sadi
Format: Doctoral Thesis
Language: por
Published: 2012
Online Access: http://repositorio.unb.br/handle/10482/10635
Summary:
A presente tese tem como objetivo central determinar se a República Bolivariana da Venezuela atravessa de fato por uma revolução, que devido às perspectivas de renovação da esquerda marxista, da importância da ruptura revolucionária e da transição ao socialismo para a região, lançamos tal problema como a primeira revolução do século XXI. Ao longo da tese buscamos definir os conceitos fundamentais da Revolução Bolivariana, tais como bolivarianismo, chavismo, democracia participativa e protagônica como também o socialismo do século XXI, todos representam eixos indispensáveis à compreensão do projeto de fundação da Quinta República. Realizamos longo trabalho de campo e entrevistas com intelectuais, militantes e membros do governo bolivariano. Estabelecemos uma contribuição à periodização do processo revolucionário bolivariano em três etapas: a etapa constituinte, a etapa nacional-soberana e a etapa da via venezuelana ao socialismo. Como processo revolucionário cuja especificidade reside na conquista gradual e pacífica do poder político, sem postular a ruptura imediata com a ordem capitalista, seguindo a via legítima de radicalização democrática, até a criação de um sistema múltiplo de propriedade (as propriedades estatal, social e privada) com vistas a superar em médio e longo prazo as bases da dominação imperialista, latifundiária e monopolista através da consolidação permanente de tais transformações, consideramos tais etapas não em sentido estancado e evolucionista, senão, como processo de revolução permanente que segue em alternâncias entre rupturas e períodos mais ou menos radicais dentro sua própria dinâmica. Concluímos que o processo ao avançar de forma “redistributiva” da renda petroleira entre as classes subalternas, tende indiretamente a reforçar o regime de acumulação de capital de determinadas frações capitalistas, fato que poderia levar a revolução à sua interrupção. ______________________________________________________________________________ ABSTRACT