Conflitos e identidades do passado e do presente : política e tradição em um quilombo na Amazônia

Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Instituto de Ciências Sociais, Departamento de Antropologia, Programa de Pós-graduação em Antropologia Social, 2008.

Nível de Acesso:openAccess
Publication Date:2008
Main Author: Pereira, Carmela Morena Zigoni
Orientador/a: Little, Paul Elliott
Format: Dissertação
Language:por
Online Access:http://repositorio.unb.br/handle/10482/2621
Citação:PEREIRA, Carmela Morena Zigoni. Conflitos e identidades do passado e do presente: política e tradição em um quilombo na Amazônia. 2008. 170 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia)-Universidade de Brasília, Brasília, 2008.
Resumo inglês:O objetivo central desta dissertação é trazer contribuições para os estudos sobre as comunidades quilombolas considerando as teorias antropológicas da etnicidade e da territorialidade, e utilizando alternadamente duas abordagens sobre o conflito: aquela dos conflitos socioambientais, e a teoria etnológica da guerra, que considera outros atributos de interações marcadas pelo conflito como seu caráter institucional, além das relações de troca e predação, que marcam a produção de identidades. A partir da vivencia em campo no território de Jambuaçu, no Pará, será analisado como as comunidades quilombolas locais, já tituladas, operam a resistência e se posicionam frente aos impactos gerados no território associados aos Projeto Bauxita Paragominas, da Companhia Vale do Rio Doce. O conflito atual, com a CVRD, será o acesso à outro conflito, ocorrido na década de 1980 com outra empresa, a Reasa Reflorestamento Sociedade Anônima. Por meio da memória e elaboração nativa de sua história sóciopolítica, será demonstrado que situações de conflito entre os quilombolas do Jambuaçu e os grupos que se lhes colocam em fronteira são perenes, e que as formas de se posicionar frente a tais situações se tornou, progressivamente, uma tradição. ______________________________________________________________________________ ABSTRACT
This dissertation aims to contribute with current studies about quilombo communities, considering anthropological theories such as those about ethnicity and territoriality, and treating conflict from, alternately, two different theoretical approaches: on the one hand, socioambiental conflicts theoretical stream, and, on the other, ethnological theory about war, which considers various interactional attributes brought by conflict as its institutional character, besides trading and predation relations (which mark identity production). From the period lived on fieldwork, at Jambuaçu, in Pará, Brazil, the ways through which quilombo communities, already formalized and armed with land titulation, operate resistance and position themselves around the impacts in the territory generated by the Bauxita Paragominas Project, managed by Companhia Vale do Rio doce, will be analyzed. The present conflict, between these quilombo communities and CVRD, will provide access to another conflict, that took part on the 80’s, between the same quilombo communities and another company, Reasa Reflorestamento Sociedade Anônima. Through memory and native elaboration of their sociopolitical history, this dissertation will demonstrate that conflict situations between Jambuaçu quilombo people and the groups that ocupate their borders are perennial, and that the forms of positioning themselves in such situations have progressively become a tradition.